Minastenista Érika Miranda conquista o bronze no Mundial de Judô

Essa é a segunda medalha consecutiva da brasileira, que foi prata no Mundial do Rio, no ano passado

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

A atleta do Minas Érika Miranda conquistou o primeiro pódio do Brasil no Mundial de Judô, que está sendo realizado em Chelyabinsk, na Rússia. A meio-leve (até 52 kg) derrotou, nesta terça-feira, a cubana Yanet Bermoy, com quem tem grande histórico de confrontos, na diferença de punições e ficou com a medalha de bronze. É a segunda medalha consecutiva da brasileira, que é a atual vice-líder do ranking mundial em seu peso e foi prata no Mundial do Rio, no ano passado.

A brasileira venceu suas três lutas eliminatórias e, na semifinal, viu a repetição do confronto de 2013. Mas se há um ano conseguiu derrotar a romena Andreea Chitu, nesta terça-feira, a europeia se vingou. Em um confronto difícil, a brasileira abriu o placar com um wazari em apenas 27 segundos de luta. No minuto final de combate, Chitu mostrou maior agressividade e, faltando 38 segundos para o fim, aplicou um uchimata e venceu a brasileira por ippon.

Érika parecia incrédula com a derrota, e teve pouco tempo para se recuperar para a disputa da medalha de bronze. A brasileira e a cubana já tinham se enfrentado dez vezes, com oito vitórias para Yanet. O confronto foi muito equilibrado, e decidido apenas na diferença de punições: 2 a 1 para a cubana, garantindo a vantagem para a brasileira, o que lhe rendeu a medalha de bronze.

Nesta terça-feira, Érika teve uma estreia tranquila contra Guibadam Babamuratova, do Turcomenistão. A brasileira, sempre no comando da luta, conseguiu o ippon, por imobilização, a 49 segundos do fim do combate. Nas oitavas de final, contra Laura Gomez, Érika teve mais trabalho. A brasileira conseguiu o yuko logo no início da luta, e precisou ter controle após receber três punições para evitar a desclassificação - se receber quatro shidôs, o judoca é eliminado da luta. Nas quartas de final, a brasileira enfrentou a chinesa Ying-nan Ma e a vitória veio por novo ippon, por estrangulamento, no minuto final.

CHARLES CHIBANA - Charles Chibana, quinto colocado no Mundial do Rio, esperava chegar ao pódio em seu segundo Mundial, mas foi eliminado em sua terceira luta. Nesta terça-feira, o brasileiro teve uma estreia tranquila contra o armênio Davit Ghazaryan, vencendo por ippon a 1min44 do fim da luta.

No segundo confronto, o líder do ranking foi testado pelo sul-coreano Tae-ho Youn. Apesar de ter mantido a agressividade no confronto, Chibana enfrentou a resistência do rival. Com três minutos de luta, o brasileiro pontuou com um yuko, mas Youn conseguiu empatar a 52 segundos, em uma ação de contragolpe. Com a igualdade, o combate foi para o golden score. Chibana só seguiu ir para a terceira luta porque o coreano recebeu uma punição com 1min10 de prorrogação.

Nas oitavas de final, o brasileiro acabou eliminado por Rishod Sobirov. O experiente usbeque foi bicampeão mundial e duas vezes medalhista olímpico quando competia na categoria ligeiro, e subiu de peso no ano passado. Em um combate nervoso, Sobirov catimbou o brasileiro. Os dois judocas chegaram ao último minuto de luta com três punições cada, no limite da desclassificação. Mas Sobirov impôs o ippon ao brasileiro, a 26 segundos do fim.

CAMPEÕES - Majlinda Kelmendi não deu chances para a algoz de Érika Miranda. A judoca de 23 anos, líder do ranking, venceu Andreea Chitu por wazari e garantiu o bicampeonato mundial entre as meio-leves (até 52 kg). Mas a atleta do Kosovo não exibiu o nome de seu país no quimono e nem ouviu o hino nacional, já que sua nação, independente desde 2008, não é reconhecida como tal pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Majlinda - que disputou a Olimpíada de Londres/2012 pela Albânia - tem participado do circuito internacional sob a bandeira da Federação Internacional de Judô (FIJ).

Na disputa masculina do peso meio-leve (até 66kg), o título mundial acabou sendo conquistado pelo japonês Masashi Ebinuma, que aplicou um ippon no russo Mikhail Pulyaev quando faltava 1min52 para o encerramento da final. Assim, Ebinuma se sagrou tricampeão mundial consecutivo entre os meio-leves. Além disso, o japonês faturou a medalha de bronze na Olimpíada de Londres, em 2012.

O Japão ainda ganhou uma medalha de bronze, com Kengo Takaichi. O francês Loic Korval também ficou em terceiro lugar.

QUARTA-FEIRA - Na madrugada de quarta-feira, o Brasil terá mais três atletas em ação na Rússia, na categoria leve - as eliminatórias começam às 2 horas (de Brasília) e as finais serão disputadas a partir das 8 horas.

No feminino (até 57 kg), Rafaela Silva defende o ouro conquistado no Mundial do Rio, em 2013, e entra na competição como vice-líder do ranking mundial. O Brasil também terá Ketleyn Quadros, bronze nos Jogos Olímpicos de Pequim/2008, e sexta do mundo. No masculino (até 73 kg), Alex Pombo, quarto colocado do ranking, é o representante do País - ele disputa o primeiro Mundial.

Leia tudo sobre: brasilerika mirandaprimeiramedalhabronzemundial de judoRússia