Caixa prorroga prazo para viabilizar Minha Casa, Minha Vida no Isidoro

Após receberem uma cópia do documento enviado ao prefeito Márcio Lacerda, moradores desocuparam agência no Centro

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Cidades - Belo Horizonte - MG
Ocupantes da Granja Wernek (Rosa Leao, Vitoria e Esperanca) ocupam a agencia da Caixa Economica Federal do centro da cidade na espera por uma resposta
FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 25.08.2014
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Cidades - Belo Horizonte - MG Ocupantes da Granja Wernek (Rosa Leao, Vitoria e Esperanca) ocupam a agencia da Caixa Economica Federal do centro da cidade na espera por uma resposta FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 25.08.2014

Os moradores das ocupações da área conhecida como mata do Isidoro, na Granja Werneck, na região Norte de Belo Horizonte, deixaram na tarde desta segunda-feira (25), após sete horas de ocupação,  a agência da Caixa Econômica Federal localizada no Centro da capital. O grupo de 150 pessoas deu fim à manifestação após receberem um ofício afirmando que o prazo para viabilizar o Minha Casa, Minha Vida no terreno, que seria até o dia 31 de agosto, foi prorrogado por tempo indeterminado.

O ofício, assinado pelo gerente e pela superintendente regional da Caixa, foi enviado pelo banco ao prefeito Márcio Lacerda. De acordo com representantes do movimento Brigadas Populares, apesar do ofício não ter poder de contrato, ele foi considerado como um compromisso com as famílias que moram nas ocupações Rosa Leão, Esperança e Vitória. 

O TEMPO teve acesso ao documento que, inicialmente, lembra das ocupações em agências ocorridas na última sexta-feira (22) e nesta segunda. Em seguida o ofício afirma que os moradores foram recebidos e explicaram que o objetivo era conseguir a prorrogação da cláusula suspensiva do contrato. 

"As informações que nos foram repassadas até então, era que uma possível realocação de moradores da área destinada ao empreendimento que o município deseja construir, era inferior a 160 famílias e que mesmo para essas, o município estava negociando alternativas para uma desocupação pacífica", afirmava o ofício. 

Com isso, ainda segundo o ofício da Caixa, o prazo até o dia 31 de agosto foi determinado com o objetivo de permitir que se pudesse negociar com essas menos de 160 famílias apontadas pela prefeitura. "Diante do exposto e das notícias veiculadas na imprensa local, estamos prorrogando por prazo indeterminado até que o esclarecimento total dos fatos e a regularização de todas as pendências nos seja formalmente repassado", afirmava o texto. 

Por fim o ofício ainda deixava claro que a Caixa não tem qualquer objeção , inclusive em relação ao cancelamento do contrato, caso seja esta a decisão do município e demais envolvidos na construção do empreendimento. 

Assim que recebera o ofício, os moradores que ocupavam a agência na rua Carijós leram o conteúdo para todos os presentes e decidiram pelo fim da manifestação.