Cerca de 30 árvores de ficus da região Cento-Sul estão mortas

Uma consulta popular deverá ser feita em até 15 dias para saber o que será feito das árvores

iG Minas Gerais | Patrícia Medeiros |

Das 100 árvores de ficus que estão infestadas pela praga da mosca branca (Singhiella sp)de 20 a 30 estão mortas. As árvores centenárias estão localizadas nas avenidas Bernardo Monteiro e Barbacena (região Centro Su) e Praça da Boa Viagem (Centro) e segundo a Gerente de Gestão Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente de Belo Horizonte, Márcia Mourão Parreira, estão curadas, mas continuam degradas.

O motivo, segundo Márcia, está sendo pesquisado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). “Tem 3 a 4 meses que a pesquisa está em andamento e os pesquisadores identificaram a presença de um vírus (geminivirus), que pode ter ligação com o processo de degradação das árvores, que continuam com galhos secos e aspecto fantasmagórico”, explicou Márcia. A pesquisa ainda não tem previsão para concluída.

A gerente de gestão ambiental também explicou que foram feitas borrifações de óleo de neem e de fungo patogênico a insetos na copa das árvores infectadas. Além de instalação de armadilhas para recolher insetos, o que afastou a praga.

Uma consulta popular deverá ser feita em até 15 dias para saber o que a população, comerciantes, lojistas e o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) acham melhor: cortar as árvores mortas e plantar novas árvores de porte grande e sombras frondosas (as espécies também serão escolhidas) ou aguardar a finalização da pesquisa da Fiocruz.

O corte imediato só será feito mediante resultado da consulta popular assegurou Márcia. A gerente de implantação de corredores e estações da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), Celina Perdigão também acrescentou que não há intenção em transformar os locais em que estão as árvores em corredores viários, como já foi especulado.

Representantes do Movimento Fica Ficus solicitaram que a Cemig seja acionada e que participe das próximas reuniões. “O corte feito para podas nas árvores são feitos de forma desregular, o que desestabiliza a copa das plantas, afirmou Lúcia Formoso, do Movimento Fica Ficus.

O assunto foi discutido na tarde ontem, 25, durante audiência pública na Camâra Municipal de Belo Horizonte, intermediada pelo vereador Pedro Patrus (PT). Também estiveram presentes MPMG, representantes da Prefeitura de Belo Horizonte, Polícia Militar, BHTrans e Movimento Fica Ficus.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave