Ministro argentino diz que opositores são pagos por 'abutres'

Para o chefe de gabinete de Cristina Kirchner, Jorge Capitanich, esses grupos e os partidos de oposição "estão em defesa dos interesses estrangeiros

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O chefe de gabinete de Cristina Kirchner, Jorge Capitanich, afirmou que os sindicatos e os partidos que fazem oposição ao governo "estão financiados e bancados pelos fundos 'abutres'", com os quais o país está em litígio nas Cortes dos EUA.

Os sindicatos dos bancários, dos caminhoneiros, dos condutores de trens organizaram uma paralisação de um dia prevista para a próxima quinta (28). Outros sindicatos, como o dos motoristas de ônibus, podem aderir.

Para Capitanich, esses grupos e os partidos de oposição "estão em defesa dos interesses estrangeiros e dos fundos 'abutres'".

Os sindicalistas responderam com críticas a Capitanich. Em uma entrevista a uma rádio, o líder de uma das federações de sindicatos, Luis Barrionuevo, da CGT Azul e Branca, afirmou que o chefe de gabinete "é um idiota" e ainda atacou o casal Kirchner: "Sabe de onde vem os abutres? De Santa Cruz", afirmou.

O casal Kirchner construiu sua carreira política na Província (Estado) de Santa Cruz, onde atuavam como advogados. Segundo a mídia argentina, lá, eles compravam imóveis cujas prestações não estavam sendo pagas para revendê-los por um preço mais alto pouco tempo depois. A reportagem entrou em contato com os fundos com os quais a Argentina está em litígio, mas ainda não obteve resposta.

O governo argentino os descreve como "abutres" porque eles se especializaram em comprar títulos de dívidas de países que passam por momentos econômicos turbulentos ou que entraram em calote. Foi o caso da Argentina em 2001.

Depois disso, passam a cobrar o valor integral do título na Justiça. Em junho, um juiz dos EUA decidiu que o país deveria pagar aos fundos Elliott e Aurelius o equivalente a títulos cujo valor de face é US$ 1,3 bilhão.

Como a Argentina não pagou, o juiz proibiu o país de pagar aos outros credores, que já vinham recebendo seu dinheiro depois de uma negociação feita em 2005.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave