Mulher de 35 anos morre com H1N1 em Poços de Caldas, afirma família

Vítima teria ficado mais de dois meses internada em UTI, mas não resistiu aos danos causados ao seu pulmão; auxiliar de contabilidade chegou a ficar em isolamento e um mês em coma induzido

iG Minas Gerais | Fernanda Viegas |

Uma mulher de 35 anos morreu infectada pelo vírus da gripe H1N1, em Poços de Caldas, no Sul de Minas, de acordo com a família. A vítima ficou mais de dois meses internada em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não resistiu aos danos causados ao seu pulmão e faleceu na manhã dessa sexta-feira (22).

De acordo com uma tia de Eliane Cristina Guerra, que preferiu ter a identidade preservada, o diagnóstico correto demoro a ser encontrado. “Ela veio ficando resfriada e foi para UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) três vezes e eles não diagnosticaram, mandaram para casa. Na terceira vez, ela saiu de lá e foi no Hospital Santa Lúcia, onde a minha irmã pagou uma consulta para ela ser atendida imediatamente. Lá ela foi diagnosticada e encaminhada para a UTI pelo SUS. Foi muito bem cuidada e internou em estado gravíssimo”, lembrou.

Elaine chegou a ficar em isolamento e passou um mês em coma induzido. Ela até chegou a apresentar uma certa melhora e quando conseguia se comunicar, sorria, mas não resistiu. Segundo a tia da vítima, ela passou por exames e durante o período da internação foi confirmado que se tratava do vírus H1N1.

A mulher, que trabalhava como auxiliar de contabilidade, deixa uma filha de 18 anos. “Ela era muito alegre, muito amada”, emocionou-se a tia. Elaine, que é natural da cidade, foi enterrada no Cemitério Saudade, nesse sábado (23).

O Hospital Santa Lúcia foi procurado pela reportagem de O TEMPO, mas ninguém foi encontrado para comentar o assunto. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) também ainda não se manifestou.

Leia tudo sobre: gripe suínaH1N1