Para frear melhor, sucesso de vendas ganha tecnologia

Honda CG 150 Titan incorpora sistema CBS, que permite distribuir a força de frenagem entre as duas rodas

iG Minas Gerais | EDUARDO ROCHA |

CBS possui mecanismo de funcionamento bastante engenhoso
Eduardo Rocha/CZN/Divulgação
CBS possui mecanismo de funcionamento bastante engenhoso

A Honda decidiu implementar em seu modelo campeão de vendas, a CG, um sistema de freios combinados – tradução livre para “Combined Braking System” ou CBS. Com este equipamento, sempre que o motociclista pressiona o pedal do freio traseiro, a motocicleta distribui a força de frenagem entre as duas rodas – se o freio acionado for o dianteiro, a ação será apenas sobre a roda dianteira. Embora o CBS aumente bastante a eficiência nas frenagens em relação ao sistema de freios independentes, a Honda antevê uma certa resistência de uma parte considerável de quem compra seus produtos de baixa cilindrada.

O motivo é simples: a maioria esmagadora desses consumidores freia errado, achando que está fazendo certo. Há uma prática amplamente disseminada de se usar apenas o freio traseiro para imobilizar o veículo. O motivo é a crença de que, ao se frear bruscamente a motocicleta com o freio dianteiro, ela pode dar uma cambalhota para a frente. Em casos extremos, isso poderia até acontecer. Tanto que o mais indicado é utilizar os dois freios, com o dianteiro respondendo por dois terços do trabalho. Sempre que se freia, o peso do veículo se desloca para a frente e deixa a roda traseira mais leve, com menor aderência. Se for utilizado apenas o freio traseiro, o risco de a roda traseira travar e o veículo se descontrolar é enorme.

O mais bizarro de toda essa história é que a principal fonte desse erro é o próprio Detran. Afinal, no exame para carteira de habilitação na categoria A, para motocicletas, utilizar o freio dianteiro tira pontos do candidato. O primeiro passo da Honda será convencer o consumidor a fazer um test-ride, para que ele perceba como a motocicleta dotada com o CBS tem um comportamento bem mais neutro nas frenagens que as convencionais.

Funcionamento. O CBS tem um mecanismo de funcionamento bastante engenhoso. Quando o pedal de freio traseiro é pressionado, ao mesmo tempo em que retrai a vareta ligada aos tambores traseiros, empurra o êmbolo de um cilindro mestre localizado sob o banco. Com isso, o pistão central da pinça do disco dianteiro também é acionado. Os outros dois dos três pistões do sistema só entram em operação por meio do manete do freio dianteiro. A Honda aposta muito na boa impressão que a Titan com CBS vai causar neste test-ride. Tanto que acredita em um ganho de 18% de vendas – de uma linha que emplaca 43 mil unidades/mês, em média.

Mercado

Positivo. Segundo a Honda, há um aumento nas vendas de motos de baixa cilindrada mais completas. Com isso, o acréscimo de R$ 180 no preço da Titan com o CBS não deverá mudar esse quadro. Os preços sugeridos para a Titan são de R$ 7.680 para a versão ESD e R$ 8.180 para a EX.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave