Jogo da Raposinha sub-15 é cancelado por ausência da PM na Toca I

Meninos do Cruzeiro jogariam contra o Vila Nova Pampulha pela quarta rodada do Campeonato Mineiro da categoria infantil

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES |

Cancelamento do jogo irritou os dirigentes da base celeste
Cruzeiro/Divulgação
Cancelamento do jogo irritou os dirigentes da base celeste

A diretoria das categorias de base do Cruzeiro está bastante irritada com a desorganização do Campeonato Mineiro de divisões inferiores. Na manhã deste sábado, um dos jogos marcados para acontecer na Toca I foi cancelado por falta de policiamento. Segundo o superintendente da base celeste, Bruno Vicintin, a partida entre Cruzeiro e Vila Nova Pampulha não aconteceu pela ausência de policiais militares no centro de treinamento. “O que acontece é que não chegou o policiamento que solicitamos para a realização do jogo. Tivemos que cancelar a partida por causa disso. A Polícia Militar disse que avisou à Federação Mineira de Futebol (FMF)que não teria viaturas para todos os jogos. E o presidente da FMF afirma que sequer foi avisado pelos militares. Um joga o problema para o outro. Não sei de quem é a culpa. O que posso afirmar mesmo é que o Cruzeiro foi o grande prejudicado”, reclamou. Vicintin disse ainda que conversou com o presidente da FMF, Castellar Neto, que prometeu buscar respostas para os seguidos atrasos ou falta de policiamento nos jogos das categorias de base em Minas Gerais. “Conversei com o Castellar e ele me disse estar tão impressionado quanto eu, pois me garantiu não saber da falta da polícia. Ele disse também achar um absurdo não haver policiamento. Mas, esse não é o primeiro jogo que a PM deixa de trabalhar. Já houve partida do América cancelada pela falta da polícia e vários jogos do Cruzeiro neste ano começaram atrasados por conta da demora dos policiais”, explicou o dirigente cruzeirense. “A justificativa da Polícia Militar é que não há como designar viaturas para ficarem paradas durante cinco horas, uma vez que é necessário o patrulhamento comunitário. Fizemos o pedido como deve ser feito, com um dia de antecedência, para que o policiamento fosse realizados nos jogos. Mas não fomos atendidos”, completou. A partida entre Cruzeiro e Jabaquara, válida pela categoria juvenil, também sofreu problemas, mas foi realizada. “O jogo começou bem atrasado, mas aconteceu. A PM ainda saiu no intervalo, demorou a voltar, e a partida também teve atraso para recomeçar. Essa aconteceu, aos trancos e barrancos, e terminou com o placar de 1 a 1”, relatou o superintendente azul. O Regulamento Geral das Competições da Confederação Brasileira de Futebol indica que uma partida não pode ser realizada sem a presença de policiais devidamente fardados. O documento cita ainda que é “expressamente proibida expressamente proibida a presença de seguranças particulares não autorizados pela CBF ou federações no campo de jogo e seu entorno”. O Cruzeiro Sub-15 faria seu quarto jogo no Campeonato Mineiro da categoria. A equipe celeste venceu três jogos até aqui: Minas Futebol (3 a 0), Campolina (8 a 0) e Funorte (3 a 1). A partida contra o Vila Nova Pampulha terá que ser remarcada. E o próximo jogo da Raposinha é contra o Desportivo Minas, às 9h, no próximo sábado, na Toca da Raposa I. 

Leia tudo sobre: cruzeiroraposasub-15infantiltoca Ipoliciacancelamento