Em Porto Alegre, Dilma afaga partidos que não a apoiam no RS

Os elogios foram feitos a representantes do PMDB e do PDT, siglas que disputam a eleição local contra o governador petista Tarso Genro

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Durante encontro com prefeitos do Rio Grande do Sul em Porto Alegre, neste sábado (23), a presidente Dilma Rousseff fez afagos a políticos de partidos que integram seu governo em Brasília, mas que, no Estado, não apoiam sua candidatura à reeleição.

Os elogios foram feitos a representantes do PMDB e do PDT. As duas siglas disputam a eleição local contra o governador petista Tarso Genro e se aliaram a adversários da presidente no plano nacional. Um dos que receberam deferências de Dilma foi o peemedebista e ex-ministro da Agricultura Mendes Ribeiro Filho, com quem ela disse ter forte relação pessoal.

"Minha filha tinha quatro ou cinco anos quando ele tirava os danoninhos da geladeira. Ela perguntava quem tinha comido e eu respondia: 'Mendes Ribeiro'", brincou a candidata, arrancando risos da plateia. A presidente agradeceu o apoio de Ribeiro Filho e usou a relação com ele para lembrar da participação do PMDB no governo federal. Peemedebistas e petistas são rivais no Rio Grande do Sul.

O candidato do PMDB ao governo do Estado, José Ivo Sartori, fechou acordo com Eduardo Campos (PSB) para apoiá-lo à Presidência. Com a morte do pernambucano, uma ala do partido ligada ao agronegócio, do qual Ribeiro Filho faz parte, resiste a endossar a candidatura de Marina Silva (PSB), que o substituiu. Prefeitura Dilma também voltou ao passado para homenagear o ex-prefeito e ex-governador Alceu Collares (PDT), presente no palco do evento. "Vou cumprimentar o meu prefeito de Porto Alegre. Ele nunca fugiu de uma boa luta", afirmou Dilma, ela mesma oriunda do PDT.  Ela se declarou muito orgulhosa de ter sido secretária da Fazenda de Collares na prefeitura (1986-1989), e lembrou que enfrentava diversas dificuldades para viabilizar investimentos. "Tínhamos que contar apenas com a gente mesmo e mais ninguém." O prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, também pedetista, elogiou programas federais como o Pronatec e o Mais Médicos, que, segundo ele, sanou as as necessidades de profissionais de saúde em bairros pobres da capital. "Hoje não faltam médicos na Restinga e na Lomba do Pinheiro", afirmou. O candidato do PDT ao governo local, Vieira da Cunha, tem em sua coligação partidos aliados de outros presidenciáveis, como o PSC, do Pastor Everaldo, e o DEM, que apoia Aécio Neves (PSDB). Arrocho Em seu discurso, Dilma voltou a defender a política econômica dos governos petistas e atacou os adversários. "Nós temos dois projetos. Um diz que deve arrochar, cortar gastos. No meu, nós criamos novas vagas de emprego no Brasil. Nós estamos fazendo uma revolução na mão de obra deste país com o Pronatec. Eu acreditei no Brasil quando fui presa e torturada. É nosso dever acreditar quando estamos numa democracia", disse. Após o evento, em entrevista aos jornalistas, Dilma não quis comentar o acordo de delação premiada que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa aceitou fazer para deixar a prisão. "Não falo sobre esse assunto. Não sei quais são os interesses dessa pessoa", disse. A reportagem tentou questionar a presidente sobre a prótese dentária que a dona Nalvinha, a agricultora Marinalva Gomes Filha, recebeu na véspera de gravar um programa eleitoral com Dilma, conforme revelou a Folha, mas a presidente não respondeu. Dona Nalvinha recebeu o benefício após um pedido direto do governo federal à Prefeitura de Paulo Afonso (BA). Segundo a Secretaria Municipal da Saúde de Paulo Afonso (BA), a agricultora recebeu atendimento após solicitação do Ministério do Desenvolvimento Social.

Folha Press

Leia tudo sobre: DilmaPorto Alegrecampanhaeleiçõespartidosafagoselogios