Por vaga, jovem se relaciona com mulher

Outro aluno de arquitetura, de 24 anos, transferiu o curso para Belo Horizonte, em parte por conta da discriminação

iG Minas Gerais | Luciene Câmara |

Estudantes homossexuais dizem que a cultura machista, embora muitas vezes silenciosa, se revela logo nos primeiros dias de aula. Um mestrando de artes cênicas, de 30 anos, contou que em 2009, quando se mudou para a cidade, até procurou moradia em repúblicas federais, mas não achou abertura. “Os homens fecham a cara, tratam a gente de um jeito diferente”, afirmou.  

Diante do clima opressor, ele foi morar com amigos, mas disse que outros alunos gays tiveram que esconder a orientação sexual. “Um amigo meu fingia que era heterossexual e até ficou com meninas”. Outros dois alunos disseram ter sofrido homofobia, entre 2008 e 2011. Um deles, de 22 anos, estudante de artes cênicas, disse que foi expulso de uma festa. “Estava dançando quando fui expulso, sem justificativa. Avisei a polícia, mas me viraram as costas”.

Outro aluno de arquitetura, de 24 anos, transferiu o curso para Belo Horizonte, em parte por conta da discriminação. “Como moradia em Ouro Preto é muita cara, busquei as repúblicas federais, mas logo vi o rigor da seleção. Então fui para uma república particular, até o dia que meu namorado ligou lá e deixou um recado. Os ‘decanos’ me convidaram a sair”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave