Mobilização mundial em prol de uma causa nobre

Durante a semana as redes sociais foram movimentadas pelo desafio do balde de gelo; além dos artistas internacionais, contagenses também aderiram à campanha

iG Minas Gerais |

Larissa. 
Autora do blog Falsa Cinderela também aderiu à campanha.
Dolciélio Amaral
Larissa. Autora do blog Falsa Cinderela também aderiu à campanha.

Uma campanha ganhou repercussão mundial na última semana. Com a participação de várias celebridades, o desafio do Banho de Gelo, iniciativa que busca doações para as instituições de combate à Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), já arrecadou mais de R$ 33 milhões em todo o mundo.

Toda essa história começou como uma brincadeira do ex-jogador de beisebol Peter Frate, portador da doença. Após ver um vídeo em uma rede social, ele e outro amigo, que também luta contra ELA, propuseram o mesmo desafio que viram, que era convencer as pessoas a doarem alguma quantia em dinheiro para qualquer instituição de combate à ELA, ou então elas deveriam postar um vídeo virando um balde de gelo na cabeça.

Mas a campanha acabou ganhando o mundo. Mark Zuckerberg, criador do Facebook, foi quem começou a mobilização oficialmente e, logo após a divulgação do vídeo, diversas celebridades, como Bill Gates, Oprah Winfrey, Neymar e até o ex-presidente do Estados Unidos George W. Bush decidiram participar.

Durante a semana, muitos contagenses também aderiram à campanha e, além de realizarem a doação, registraram o momento de diversão em fotos e vídeos que foram compartilhados nas redes sociais.

A ELA é uma doença degenerativa, que causa muitas dores que, de tão extremas, muitas vezes só passam se a pessoa acometida entrar em uma banheira cheia de água e gelo, por isso o desafio mundial envolve um banho de água e gelo.

O músico Fadu Casanova foi um dos que entraram na brincadeira e ainda desafiou os colegas Vitor Soares, Marcus Vinile e Toninho Moreira. “A doação é importante para que as pesquisas continuem e nos tragam logo uma resposta concreta e, posteriormente,acredito eu, a cura da ELA. Fiz minha doação e mantenho essa postura de estar sempre contribuindo com causas nobres”, ressalta.

A estudante e blogueira Larissa Andrade, também entrou na brincadeira. “É muito dificil ver algum projeto do bem se popularizando no meio virtual que temos hoje, na qual as coisas ruins e polêmicas dão muito mais audiência. Acredito que essa divulgação em tom de brincadeira foi um passo muito grande para novas pesquisas sobre a doença e também para alcançarmos a cura. O importante, no fim das contas, é realizar a doação, por menor que seja”, destaca.

ELA

A Esclerose Lateral Amiotrófica é uma doença rara, que causa degeneração progressiva dos neurônios responsáveis pelo controle da musculatura voluntária e acomete os membros inferiores e superiores, atingindo cerca de 100 mil pessoas em todo o mundo.

Segundo o neurologista, membro titular e secretário geral da Academia Brasileira de Neurologia (ABN) e diretor-fundador da Associação Brasileira de Esclerose Lateral Amiotrófica (AbrELA), Acary Souza, a doença normalmente inicia com uma diminuição de forças dos membros, dificuldade de engolir ou de falar. É considerada uma doença relativamente rara – são registrados um ou dois casos em cada 100 mil pessoas por ano no mundo. Acomete mais os homens do que as mulheres, a partir dos 45 anos.

O diagnóstico é difícil. Caracterizada pela paralisia gradativa dos membros e da língua e por uma crescente fraqueza muscular de origem neurológica, a doença afeta as funções respiratórias, a fala e os movimentos.

A esclerose não é fácil de ser detectada, pois pode ser facilmente confundida com outros problemas. Em grande parte dos casos, o paciente passa por quatro, cinco médicos num ano, antes de fechar o diagnóstico e iniciar o tratamento. Do primeiro sintoma até a conclusão precisa do diagnóstico leva-se, em média, 12 meses. “Esse período é considerado de perda, pois, enquanto o paciente tenta descobrir os motivos, a doença avança, tornando-se mais difícil de interromper a evolução dramática da ELA”, ressalta Dr. Acary.

Ironia

Corey Griffin, de 27 anos, um dos criadores do ALS Ice Bucket Challenge, o desafio do Balde de Gelo, que virou febre entre celebridades na internet, morreu afogado em um acidente em Massachussetts, nos Estados Unidos

O acidente aconteceu no sábado (16), quando o norte americano saltou de um cais usado para mergulhos. A fatalidade só foi divulgada nesta quarta-feira (20), quatro dias após o acidente.

 

Participe

Doe Uma das instituições que estão recebendo doações é a Associação Pró-Cura da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) CNPJJ: 18.989.225/0001-88; Banco – Bradesco (237) Agência 2962-9 C/C 2988-2.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave