Reunião que discutia Zona Cultural Praça da Estação termina sem acordo

Representantes de movimentos sociais alegam que decreto da Prefeitura publicado em junho deste ano não cumpre o que foi acordado nas discussões realizadas em 2013

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira/Gustavo Lameira |

A Fundação Municipal de Cultura (FMC) se reuniu com representantes da sociedade civil, na noite desta quinta-feira (21), para eleição do conselho consultivo, que irá elaborar o plano-diretor da já criada Zona Cultural da Praça da Estação.

O encontro aconteceu no Teatro Marília, bairro Santa Efigênia, região hospitalar de Belo Horizonte, mas terminou sem acordo, por conta de pontos considerados importantes e deixados de fora do decreto da Prefeitura, publicado em junho deste ano. Cerca de 30 pessoas estiveram presentes, entre elas integrantes dos movimentos Praia da Estação, Duelo de MCs e condôminos do Edifício Central, centro comercial no entorno da praça.

Para que o conselho seja formado são necessários três representantes do poder público e o mesmo número da sociedade civil. Segundo os representantes da população, o que foi discutido entre os meses de março e novembro de 2013 não constava do documento (decreto 15.587 de 9 de junho de 2014), e por isso não foi feita a eleição do conselho.

Entre as solicitações, três pontos são considerados essenciais e condicionantes para o seguimento do processo: a volta dos pontos de ônibus para a rua Aarão Reis, o que provocou o esvaziamento da área, prejudicando o comércio e deixando a praça mais vulnerável no que diz respeito à segurança; a publicação de edital, que deverá selecionar a programação cultural; e por último, a definição de um corpo técnico e a criação de um escritório na praça da Estação, um ponto fixo para o diálogo. A proposta foi aprovada por 15 votos a 3. 

A FMC se comprometeu a apresentar a demanda na próxima plenária do Conselho Municipal de Cultura.