EUA tentaram resgatar reféns do Estado Islâmico, diz Pentágono

A operação é revelada dois dias após a facção divulgar em vídeo a morte do jornalista James Foley, sequestrado em 2012 e decapitado por um militante nas imagens

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Pentágono confirmou nesta quinta-feira (21) que o Exército dos EUA tentou há dois meses resgatar reféns americanos que estavam em poder do Estado Islâmico na Síria, informação inicialmente divulgada pelo jornal "The New York Times".

A operação é revelada dois dias após a facção divulgar em vídeo a morte do jornalista James Foley, sequestrado em 2012 e decapitado por um militante nas imagens, e ameaça matar outro repórter, Steven Sotloff.

À publicação, militares disseram que 24 integrantes da Força Delta, grupo de elite do Exército, chegaram de helicóptero a uma localidade do norte sírio e tentaram invadir uma refinaria, onde estariam os reféns.

Quando eles chegaram, no entanto, os sequestrados já não estavam mais no local. Nem eles nem o Pentágono confirmam quantos e quais reféns eles pretendiam resgatar no local.

Ao tentar sair, os soldados foram cercados por um grupo de extremistas do Estado Islâmico, com quem trocaram tiros. O confronto durou alguns minutos até que os helicópteros que os trouxeram puderam resgatá-los.

Um dos militares americanos ficou ferido no enfrentamento e um helicóptero esteve no alvo dos militantes, mas todos os soldados foram resgatados em segurança. Os membros do governo americano dizem que alguns extremistas foram mortos.

Esta é a primeira vez que os Estados Unidos reconhecem ter entrado na Síria desde o início da guerra civil, em 2011. O secretário de Justiça americano, Eric Holder, confirmou que uma investigação foi aberta sobre a morte de James Foley.

Resgate

A operação é revelada horas após representantes da família do jornalista decapitado terem dito que o Estado Islâmico pediu US$ 100 milhões (R$ 225 milhões) de resgate ao governo americano para liberar Foley.

A proposta foi negada pelos Estados Unidos, que tem como política não dar resgate a grupos terroristas. Além do resgate, os extremistas pediram a liberação de Aafia Siddiqui, cientista paquistanês aliado da rede terrorista Al Qaeda preso no Texas.

O Reino Unido também teria negado pagar resgate por um cidadão britânico. A entrega de dinheiro a grupos extremistas é uma política comum para França, Espanha e outros países europeus, mas é negada por americanos e britânicos.

Segundo o "New York Times", grupos aliados à Al Qaeda receberam US$ 125 milhões de diferentes países da Europa que pagaram para libertar seus cidadãos. Os recursos são investidos em armas, que aumentam o poder de fogo dos extremistas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave