Brasil vence a China e comemora reação no Grand Prix

Parciais de 25/23, 25/20 e 25/21, no Ariake Collesium, em Tóquio, determinaram a vitória brasileira

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Jogadoras comemoram terceira vitória no torneio
CBV/Divulgação
Jogadoras comemoram terceira vitória no torneio

Depois de ter sido surpreendida pela Turquia em sua estreia na fase final do Grand Prix, a seleção brasileira feminina de vôlei reagiu nesta quinta-feira ao vencer a China por 3 sets a 0, com parciais de 25/23, 25/20 e 25/21, no Ariake Collesium, em Tóquio no Japão.  Com o triunfo, o Brasil chegou aos quatro pontos no estágio derradeiro da competição, na qual fechou a primeira fase com nove vitórias em nove jogos. Já as chinesas, que haviam estreado com vitória na última quarta, estacionaram nos três pontos e foram ultrapassadas pelas brasileiras. Anfitrião desta fase final, o Japão se isolou na ponta, com seis pontos, ao superar a Turquia com facilidade por 3 sets a 0, com 25/13, 25/17 e 25/17. Atual campeã do Grand Prix e na luta pelo seu décimo título do torneio, a seleção comandada pelo técnico José Roberto Guimarães voltará a atuar nesta fase final nesta sexta-feira, contra a Bélgica, às 3 horas (horário de Brasília). E o time nacional celebrou a boa reação e a retomada da confiança, que ficou um pouco abalada depois da derrota por 3 sets a 2 para as turcas. "Ainda cometemos alguns erros, mas o nosso passe e a marcação de bloqueio evoluíram. Esse é o caminho que precisamos seguir, sempre ajustando e melhorando nosso jogo. Estamos sem muito tempo para treinar em função do horário das partidas, portanto foi importante mostrarmos uma recuperação rápida depois de uma derrota como a de ontem (quarta)", ressaltou Zé Roberto. Eleita a melhor jogadora da partida diante das chinesas, a atacante Jaqueline foi a maior pontuadora do Brasil, ao lado da ponteira Fernanda Garay, com 15 pontos, e exaltou o peso que teve este triunfo. "Temos que ser fortes nesses momentos. A partida de ontem foi atípica e, apesar de tentarmos, o nosso jogo não funcionou. Hoje colocamos a cabeça no lugar e sabíamos da importância desse confronto para o restante do campeonato. Fizemos uma boa partida e espero que daqui para frente as vitórias continuem saindo. O time jogou com alegria e estava mais solto em quadra", ressaltou, para depois enfatizar que aposta em "um jogo difícil" diante das belgas.  Fernanda Garay tem a mesma opinião de Jaqueline, apesar de a Bélgica vir de duas derrotas nesta fase final. Nesta quinta, a seleção europeia foi batida por 3 sets a 0 pela Rússia, com parciais de 25/23, 25/16 e 25/19. O triunfo deixou as russas com três pontos, empatadas justamente com a China na terceira posição. "Estou feliz pela vitória e atuação do grupo. Conseguimos recuperar o nosso ritmo e, principalmente, a confiança. Sabemos que ainda tem muito campeonato pela frente. Fizemos uma excelente campanha e precisamos usar isso como motivação. Amanhã teremos mais um jogo difícil contra a Bélgica", destacou Garay. O JOGO - Precisando vencer para ficar com maiores chances de se sagrar campeã do Grand Prix, a seleção brasileira começou pior do que a China o duelo desta quinta. Chegou a estar perdendo por 5/2 no início, mas reagiu rápido e, após empatar em 9/9, virou o placar e foi para o segundo tempo técnico ganhando por 16/13. Com Sheilla brilhando no ataque, a equipe nacional administrou bem a vantagem para fechar a primeira parcial em 25/23. No segundo set, mais uma vez as chinesas iniciaram melhor e foram para as duas primeiras paradas técnicas liderando o placar com dois pontos à frente (8/6 e depois 16/14). Entretanto, depois de uma boa sequência de saques de Jaqueline, o Brasil fez quatro pontos consecutivos, abriu 18/16 e deslanchou para liquidar a parcial em 25/20 após um ataque da central Fabiana. O terceiro set também começou equilibrado e o Brasil sofria para desgarrar no placar. Chegou a abrir 7/4 e 10/8, mas viu a China empatar em 14/14. A partir dali, porém, as bicampeãs olímpicas cresceram na partida, abriram 18/14 e, com certa tranquilidade, aplicaram o 25/21 que decretou o triunfo por 3 a 0.

Leia tudo sobre: Grand PrixVoleiseleção brasileirabrasilfeminina