José Serra é intimado a depor sobre cartel de trens em São Paulo

O inquérito conduzido pelo delegado Milton Fornazari Júnior, aponta que três das sete concorrências investigadas aconteceram durante o governo de José Serra, entre 2007 e 2010

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

undefined

O ex-governador paulista e candidato ao Senado José Serra (PSDB) foi intimado pela Polícia Federal a depor sobre os contatos mantidos com empresas envolvidas no cartel de trens de São Paulo, entre 1998 e 2008. As informações são de um documento obtido pelo jornal "Folha de São Paulo".

Serra e outros 44 envolvidos serão ouvidos pela PF, que investiga as suspeitas de fraude em licitações nos diversos governos tucanos no Estado e se o ex-governador atuou a favor das multinacionais CAF e Alstom, durante disputa contra a Siemens.

O inquérito conduzido pelo delegado Milton Fornazari Júnior, aponta que três das sete concorrências investigadas aconteceram durante o governo de José Serra, entre 2007 e 2010.

Um e-mail de 2008 e o depoimento do executivo da multinacional alemã Siemens Nelson Branco Marchetti, apontam que houve pressão exercida por Serra e o ex-secretário dos Transportes Metropolitanos, José Portella, para que a empresa desistisse de um recurso judicial que iria atrapallhar o  fim da licitação da CPTM que na qual a CAF havia apresentado a melhor proposta.

José Portella, o presidente da estatal CPTM Mário Bandeira e o ex-presidente do Metrô, Sérgio Avelleda, estão entre os outros 44 envolvidos que também serão ouvidos pela polícia.

O e-mail mosta uma conversa de Marchetti com Serra e Portella durante um congresso do setor ferroviário em 2008 na cidade de Amsterdã, na Holanda. Segundo o executivo da Siemens, Serra sugeriu um acordo entre a companhia alemã para evitar qualquer disputa com a CAF.

Em outro e-mail, o ex-presidente da Alstom José Luiz Álqueres também cita Serra. Álqueres afirma que o ex-governador colaborou na abertura de uma fábrica da Alstom no mesmo lugar que uma antiga unidade da empresa Mafersa, em São Paulo.

Outro lado

A assessoria do ex-governador José Serra (PSDB) disse ter estranhado a "inclusão do nome dele no inquérito às vésperas da eleição". Serra disse não saber o motivo da intimação da PF até ser procurado pela "Folha de São Paulo".

O ex-secretário dos Transportes Metropolitanos José Portella e o ex-presidente do Metrô Sérgio Avelleda, não se pronunciaram sobre o caso.

Em nota, a CPTM disse ter "total interesse em apurar os fatos e, constatado o prejuízo, exigir ressarcimento".

Leia tudo sobre: CartelSiemensAlstomJosé SerraSão PaulotrensinvestigaçãoPolícia Federalinquérito