Concessionárias acham que juros para veículos vão cair

iG Minas Gerais |

Brasília. O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Flavio Meneghetti, considerou “muito bem-vinda” a medida anunciada ontem por Guido Mantega, que dispensa a cobrança judicial obrigatória pelas instituições financeiras em operações sem garantia de até R$ 100 mil e com garantia de até R$ 50 mil. A medida deve, segundo o presidente da Fenabrave, facilitar a retomada de bens como carros e, principalmente, motocicletas, bem como diminuir taxa cobrada pelos bancos com o risco menor.

“Os custos (para retomada de veículos) estão precificados nas taxas e nos juros e, obviamente, agora, os bancos podem reduzi-los”, disse Meneghetti ao Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado. O presidente da Fenabrave considerou que o setor de motos será o mais beneficiado pela simplificação na cobrança judicial, já que muitas vezes as financeiras desistem da operação de retomada do veículo por conta dos custos judiciais superiores ao valor do bem. “Em moto tem caso que é mais caro o molho que o peixe”, brincou.

O presidente da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo), Marcos Fermanian, afirmou que a medida será “muitíssimo bem-vinda” se concretizada. A cautela adotada por Fermanian é explicada pela necessidade de uma avaliação, pela entidade, do texto da futura Medida Provisória (MP) com as regras de facilitação jurídica para a retomada de bens.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave