Tarcísio: 'plano de governo elaboradinho' é pra colocar na prateleira

Candidato do PSB reconheceu dificuldades com partido dividido, mas afirmou que 'vai incomodar os tubarões'

iG Minas Gerais | Da Redação |

Gravando programas eleitorais, no dia 25/7/2014
Facebook/Reprodução
Gravando programas eleitorais, no dia 25/7/2014

O candidato do PSB ao governo de Minas disse que "programa de governo elaboradinho" é coisa para colocar na prateleira um dia depois da eleição. A declaração foi dada ao "MGTV", da Rede Globo, ao comentar o fato de que apenas adaptou o programa nacional de seu partido na campanha ao Palácio Tiradentes.

"Eu tenho uma posição que é bastante diferente. Eu sou um canidato diferente. Programa muito bem elaboradinho é para colocar na prateleira. Eu estou cansado de ver isso. Temos que pegar o programa matriz e adaptar para realidade mineira. E essa realidade temos que acompanhar de acordo com a administração andando com o povo", afirmou.

Questionado sobre um processo a que responde por ter participado de um suposto comício na Câmara Municipal de Santos Dumont, o ex-prefeito de Juiz de Fora afirmou que a ação não se sustenta.

"Essa ação não anda. Ela é tão impossível que não andou até hoje. Com referência à austeridade na vida pública, eu posso dizer que querer criticar é buscar chifre na cabeça de cavalo. O que eu fiz na vida pública foi seguir na vida pública o que sempre fiz. Eu tenho 40 anos na vida pública em mandatos muito importantes. Fui três vezes deputado, presidente do DNER (hoje Denit), prefeito de uma cidade importante e não acumulei um patrimônio financeiro, pois quis acumular patrimônio moral", disse.

O ex-prefeito reconheceu as dificuldades de levar a campanha à frente com dissidências importantes no partido, mas voltou a afirmar que, mesmo sendo "peixe pequeno", "em cardume vai incomodar os tubarões".

"Não estou preocupado com os que não quiseram seguir o partido. O prefeito da capital certamente seria o candidato, mas resolveu não seguir o partido. Eu nunca abri dissidência na vida pública. Quando não concordei, deixei o partido. Mas respeito a quem tem opinião divergente", destacou.

Tarcísio não quis dizer que irá apoiar caso não vá para o segundo turno, mas prometeu contar "um dia depois do 1º turno", caso não avance.   "Antes eu não posso especular pois estamos lutando para chegar no segundo turno", disse.  

Leia tudo sobre: eleiçãoeleições2014tarcísio delgadotarcísiopsbcandidatogoverno de minas