Florianópolis cria 'Samu' para socorrer animais acidentados

Cães, gatos e até cavalos vítimas de acidentes contam desde o início do mês com um serviço de emergência veterinária em Florianópolis

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Samu para animais foi criado com dinheiro de doações
Divulgação
Samu para animais foi criado com dinheiro de doações

Criado à base de doações, o Samuvet custou aos cofres públicos R$ 853. O carro para salvar animais atropelados, que era da prefeitura, foi resgatado de um ferro-velho por Eduardo Cavallazzi, diretor do Bem-Estar Animal (Dibea). Ele pagou a reforma do próprio bolso, assim como as luzes de emergência.

O logotipo foi feito de graça por um amigo, o aparelho de celular foi doado, e o chip é de Cavalazzi, que idealizou o serviço. O município pagou apenas os adesivos do carro.

O Dibea funciona há nove anos e tem uma equipe de 17 servidores que trabalham no ambulatório municipal para animais. Lá, os bichos são castrados, vacinados e rastreados com microchips implantados gratuitamente.

"Era comum interceptar acidentes com animais, como capotamento ou atropelamento. Quando chegava ao local, percebia que a vítima era atendida, mas os animais ficavam agonizando. Não tinha um protocolo de ação para isso", conta o idealizador, que atuou como policial militar durante 18 anos.

O carro permitiu que as ocorrências com animais sejam atendidas 24 horas por dia em um dos primeiros serviços do tipo no Brasil. São Paulo, Salvador e Recife têm projetos parecidos, mas ainda não implantados.

O protocolo foi criado a partir de sua experiência anterior e repassado aos bombeiros e à Polícia Militar.

"Apresentei a ideia, apresentei o nome. O pessoal gostou, a Secretaria de Saúde topou", conta Cavallazzi.

O nome desagradou o Ministério da Saúde, que recomendou mudança para evitar confusão com o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). "Vamos recorrer."

Entre as ocorrências atendidas está a de um cão atropelado, que não sobreviveu, e a de um pitt bull, que circulava sem dono e foi recolhido. O dono será notificado.

A principal função do Dibea é cuidar dos animais abandonados e castrá-los. Há mais de 50 cães e gatos esperando adoção.

Cavalos também são resgatados pelo Samuvet, que tem uma carroceria especial para eles. Há cerca de 50 cavalos no centro de Florianópolis, segundo o diretor. "Como a prefeitura multa quando o terreno baldio tem mato grande, as pessoas têm cavalos para pastar e manter limpo."

Muitos acabam fugindo e causam acidentes. No Dibea, os cavalos recebem microchips. Se o proprietário for reincidente, é multado.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave