Dunga quer 'modernizar' jeito de atacar da seleção brasileira

Treinador do Brasil não chamou nenhum centroavante de ofício, colocando a responsabilidade em Tardelli, Neymar, ou Hulk

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

VIPCOMM/DIVULGAÇÃO
undefined

A primeira lista de convocados de Dunga, anunciada nesta terça-feira pela manhã, no Rio, mostrou que a seleção brasileira deverá ter uma nova proposta de jogo ofensivamente. Nenhum centroavante de ofício foi chamado. Caberá a Neymar, Hulk e Diego Tardelli a responsabilidade de rondar o gol de Colômbia e Equador, próximos rivais do Brasil, respectivamente nos dias 5 e 9 de setembro, nos Estados Unidos. De acordo com o treinador, a ideia é "modernizar" o modo de atuar da equipe.

Antecessor de Dunga, Luiz Felipe Scolari sempre demonstrou preferência por centroavantes, a ponto de adiar uma convocação em fevereiro para ter a garantia de que poderia contar com Fred. Dunga também é conhecido por ser um entusiasta de jogadores de área - por isso, nos últimos dias, o nome de Alan Kardec, do São Paulo, foi dado como certo na lista desta terça.

Mas o técnico surpreendeu nesta sua primeira convocação em sua volta ao comando do time nacional. "Vimos na Copa que temos de refazer nosso pensamento. Atacante é quem chega lá na frente para fazer o gol. Isso independe se ele é o nove, se ele é o dez se ele é o três, se ele é o dois ou se ele é o cinco. A gente fala que temos que modernizar o futebol, mas ficamos muito presos a números", enfatizou.

Na avaliação do técnico, jogadores como Everton Ribeiro, Oscar, Ricardo Goulart, Willian e Philippe Coutinho, além de Neymar, Hulk e Diego Tardelli, podem ser agudos no ataque sem necessariamente serem jogadores de área.

"Tem a possibilidade de a gente jogar com um nove fixo, sem um nove, com atacantes não exatamente fixos na frente, mas mais abertos nas laterais", destacou Dunga. "O (alemão) Müller jogou as primeiras partidas como atacante de referência na área, depois jogou pelas laterais, e a gente tem jogadores que podem fazer isso dentro desse grupo", completou.

Leia tudo sobre: selecao brasileiradungaataquereformulacao