Iraque suspende tentativa de retomar cidade após resistência

Presidente americano prometeu, na segunda (18), que as forças federais iraquianas e curdas "seguirão contando com o apoio forte dos Estados Unidos" em sua luta contra o Estado Islâmico

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

As tropas iraquianas suspenderam uma ofensiva para retomar a cidade natal do ex-ditador do Iraque, Saddam Hussein, nesta terça-feira (19), depois de encontraram forte resistência do grupo radical Estado Islâmico (EI), segundo a Reuters.

As forças iraquianas ficaram sob artilharia pesada no sul de Tikrit, de acordo com oficiais da operação. A cidade está em poder dos radicais desde 11 de junho e duas tentativas prévias para recuperá-la também não funcionaram.

Um morador de Tikrit disse por telefone que militantes do EI seguiam no controle de suas posições e faziam patrulhas nas principais ruas da cidade. Mais cedo, unidades do Exército iraquiano, apoiados por milícias xiitas, abriram caminho para o centro de Tikrit, cidade 130 km ao norte de Bagdá, que é um reduto da minoria muçulmana sunita do país.

Combates ocorreram perto do principal hospital da cidade, a 4 km do centro. "Nossas forças estão avançando em duas direções com cobertura de helicópteros do Exército e bombardeios das posições dos militantes Estado Islâmico na cidade e em torno dela", disse um oficial à Reuters. Além do sul, as forças iraquianas também avançaram pelo oeste, local com minas terrestres e bombas implantadas pelos rebeldes.

As forças de segurança também atacaram o EI em diversos pontos ao norte, a oeste e ao sul de Bagdá, segundo as autoridades.

Represa

Na segunda-feira (18), o presidente americano, Barack Obama, aplaudiu a ação das forças federais iraquianas e dos curdos, que tomaram dos radicais o controle da maior represa do Iraque, ao norte de Mossul.

Obama prometeu que as forças federais iraquianas e curdas "seguirão contando com o apoio forte dos Estados Unidos" em sua luta contra o Estado Islâmico.

Nesta terça-feira (19) explodiram novos confrontos perto da represa, e aviões americanos voltaram a atacar alvos do Estado Islâmico, explicou à AFP um oficial das forças curdas, os "peshmergas". A operação é delicada, já que, segundo especialistas americanos, um vazamento na represa pode provocar uma onda de 20 metros na cidade de Mossul e inundações ao longo do vale do Tigre até a capital Bagdá.

A aviação dos Estados Unidos realizou 35 ataques aéreos contra os radicais no Iraque nos últimos três dias, e destruiu mais de 90 alvos, segundo o Pentágono.

Obama justificou esta primeira intervenção de Washington no Iraque desde a retirada de suas tropas em 2011 alegando o risco de genocídio contra a minoria yazidi e as ameaças aos funcionários americanos na capital do Curdistão iraquiano, Irbil.

Os extremistas proclamaram um califado (Estado com leis islâmicas) nas regiões que controlam no Iraque e na Síria, onde também estão sendo atacados pela aviação do regime de Bashar al-Assad.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave