PMDB ensaia punição a infiéis

Executiva pediu a expulsão do prefeito de Teófilo Otoni, Getúlio Neiva, ao conselho de ética

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

Fogo amigo. Executiva do PMDB quer estancar traições e adesões de seus quadros para chapa do PSDB
PMDB/Divulgação
Fogo amigo. Executiva do PMDB quer estancar traições e adesões de seus quadros para chapa do PSDB

O PMDB decidiu pedir a expulsão do prefeito de Teófilo Otoni, Getúlio Neiva, do partido. O ato é uma reação ao movimento de membros da legenda que declararam apoio ao candidato tucano ao governo de Minas, Pimenta da Veiga. Para tentar estancar a dissidência, o PMDB ainda criou uma comissão para acompanhar casos de “deserções” nos diretórios municipais. Neiva foi o primeiro exemplo de como será feita a “caça às bruxas”. Por unanimidade, o PMDB decidiu enviar, ao seu próprio conselho de ética, o pedido de expulsão de Neiva, que terá cinco dias para apresentar defesa. A decisão foi tomada ontem, em reunião da executiva estadual. A reunião teve a presença do presidente da sigla e candidato a vice-governador na chapa de Fernando Pimentel (PT), Antônio Andrade, dos deputados federais Newton Cardoso e João Magalhães, e dos parlamentares estaduais Cabo Júlio, Adalclever Lopes, Sávio Souza Cruz e Vanderlei Miranda. Em vários momentos, Neiva foi descrito como “um traidor histórico do PMDB”. Neiva garantiu que irá fazer sua defesa e acusou a convenção que escolheu a aliança com Fernando Pimentel de ser uma “fraude”. “A cédula para votação na convenção só tinha a cláusula sim. Não houve democracia. Eu sou um dos fundadores do MDB e não pude dar meu voto de gratidão a Aécio e a Anastasia. Mas política é assim”, criticou. Outra estratégia adotada para apagar o fogo amigo foi a criação de uma comissão de acompanhamento dos diretórios municipais dissidentes. Os casos de apoio ao tucano podem resultar em intervenção. O grupo será presidido por Sávio Souza Cruz, um dos principais opositores do PSDB na Assembleia, pelo ex-prefeito de Pedro Leopoldo Ângelo Tadeu e pelo prefeito de Periquito, Geraldo Godoy. Andrade destacou que a sigla é democrática, apesar das medidas. “Recebemos mais denúncias, e outras expulsões podem ser sugeridas. Cerca de 93% do PMDB aprovou, em convenção, o apoio a Pimentel. Está no estatuto que as decisões majoritárias devem ser respeitadas”, enfatizou. Encontro. Na quinta-feira passada, além de Neiva, cerca de 40 prefeitos do PMDB participaram de uma reunião fechada com o candidato a vice-governador na chapa tucana, Dinis Pinheiro (PP). No entanto, o encontro foi mantido em segredo até ontem, quando, no fim da tarde, os tucanos divulgaram o evento e ainda os nomes de outros executivos municipais apoiadores de Pimenta da Veiga. Dentre eles estavam os prefeitos de Andradas, Rodrigo Lopes, de Francisco Dumont, Carlos Mário, de Ervália, Nautinho da Silva, e de Engenheiro Caldas, Juarez Contin Júnior.

Reincidente “Histórico”. Os peemedebistas afirmaram que a traição de Getúlio Neiva é recorrente, já que ele não apoiou para o governo do Estado Itamar Franco, em 1998, e Hélio Costa, em 2010.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave