Assaltante que mantinha refém em Igreja no Rio se entrega à polícia

Coordenador de Eucaristia da Nossa Senhora da Paz, Justino Carvalho, declarou que a igreja estava cheia, quando foi invadida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

RJ - IGREJA/REFÉM/CORREÇÃO - GERAL - Carlos Alberto de Souza de 29 anos (camisa verde) é preso após uma tentativa frustrada de     assalto à uma farmárcia  em Ipanema na zona sul do Rio, neste   domingo. Ele ainda se   refugiou na Igreja Nossa Senhora da Paz e fez um homem de refém, mas acabou preso.   17/08/2014 - Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
ESTADÃO CONTEÚDO
RJ - IGREJA/REFÉM/CORREÇÃO - GERAL - Carlos Alberto de Souza de 29 anos (camisa verde) é preso após uma tentativa frustrada de assalto à uma farmárcia em Ipanema na zona sul do Rio, neste domingo. Ele ainda se refugiou na Igreja Nossa Senhora da Paz e fez um homem de refém, mas acabou preso. 17/08/2014 - Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

O homem que mantinha o sacristão Eduardo Amaral refém dentro da Igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro, entregou-se à polícia. Ele manteve o sacristão refém por mais de três horas. Eduardo passa bem.

Por volta das 16h, o homem assaltou uma drogaria nas proximidades e tentou fugir em um táxi, mas não conseguiu, e se refugiou na igreja, após atirar no taxista. Ele invadiu a igreja no momento em que era celebrada missa para mais de 500 pessoas. Ele tentou fazer o padre como refém, mas o sacristão se ofereceu para ficar no lugar do pároco.

Coordenador de Eucaristia da Nossa Senhora da Paz, Justino Carvalho, explica que a igreja estava cheia, quando foi invadida. "Era momento de homilia, quando o jovem entrou. Foi um grande susto, porque hoje é um dia importante para a paróquia. É assunção de Maria e, por isso, a presença de tanto fiéis."

A polícia foi acionada e negociou a liberação do réfem, com o o apoio da família do assaltante, de 29 anos, que foi até o local. Morador de uma comunidade próxima, o Canta Galo, o assaltante tem esquizofrenia e usava bebida alcóolica, além de não tomar a medicação adequadamente, segundo a delegada Valéria de Aragão Sádio, que frequenta a igreja e estava na missa no momento do episódio. "Ele tinha uma postura agressiva. A todo momento ficava pedindo garantias para se entregar. A presença da família foi importante para nos ajudar a entender o comportamento dele e lidar com a esquizofrenia."

O parceiro do assaltante está foragido. A autuação do rapaz é feita neste momento na 14ª Delegacia de Polícia, no Leblon.

Leia tudo sobre: Rio de Janeiro