Palmeiras e São Paulo fazem clássico de alta voltagem

Com os dois times sendo assombrados pela crise, duelo poderá definir os rumos que cada um dos rivais paulistas irá seguir no Brasileiro

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Muricy testa opções para São Paulo reencontrar o caminho das das vitórias
SÃO PULO,/ PÁGINA OFICIAL/FACEBOOK
Muricy testa opções para São Paulo reencontrar o caminho das das vitórias

A diferença de pontos na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro pode passar a falsa impressão de que o São Paulo entra em campo com superioridade e favoritismo diante do Palmeiras, neste domingo, às 16 horas, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, pela 15.ª rodada, mas engana-se quem enxerga um duelo desigual: é a forte pressão que os rivais carregam nas costas.

Acostumados a glórias no passado, os times jogam para evitar que a crise que ronda ambos tome conta definitivamente do ambiente. A vitória pode não significar o fim das turbulências, mas perder agravará sensivelmente o já tenso momento interno.

Além de ambos precisarem do resultado positivo para alavancar o moral, o jogo ganha um ingrediente especial: o reencontro dos rivais pela primeira vez após a transferência de Alan Kardec para o São Paulo. A negociação deixou um buraco técnico no time alviverde e no orgulho do torcedor, que viu seu principal ídolo trocar o clube por um rival. O atacante imediatamente virou Judas e viu o carinho se transformar em raiva.

As rusgas saíram das arquibancadas e se tornaram institucionais quando os presidentes Paulo Nobre e Carlos Miguel Aidar partiram para o tiroteio verbal e trocaram acusações e ofensas. O palmeirense chamou o colega de “infeliz e arrogante”, enquanto que Aidar respondeu dizendo que “o Palmeiras vem se apequenando ano após ano”.

Ao menos da parte do são-paulino, a bandeira branca foi hasteada. Em entrevista coletiva nesta semana, Aidar assumiu que passou do ponto e se desculpou. “Reagi ao que achei que fosse uma provocação. Torço pelo Paulo Nobre e votaria nele se fosse sócio ou conselheiro do Palmeiras”.

Do ponto de vista técnico, os treinadores Ricardo Gareca e Muricy Ramalho têm o desafio de encontrar o time ideal, mas com premissas distintas. O argentino acaba de desembarcar no Palestra Itália e ainda procura conhecer o elenco, enquanto que o badalado companheiro sofre para dar padrão para um elenco caro e recheado de estrelas.

Componentes para um clássico nervoso, portanto, não faltam. Resta saber se os rivais conseguirão manter a cabeça no lugar para transformar a partida em um clássico interessante e não em um amontoado de faltas, lances feios e cartões.

Leia tudo sobre: palmeirassao paulotricolorclassicopaulistafutebol