Bandeira tarifária terá reflexo de 7,7%

O coordenador do MBA em setor elétrico da FGV/ Faculdade IBS, Diogo Mac Cord de Faria, destaca que o impacto que está por vir na conta não tem a ver com os empréstimos, mas com o causador

iG Minas Gerais | Queila Ariadne |

O uso das usinas térmicas fez as distribuidoras gastarem mais, e elas precisaram de empréstimos. Mas esse não é o único fator que dará as caras na conta de luz do ano que vem. Em 2015 entra em vigor o sistema de bandeira tarifária, que prevê ajustes de acordo com o consumo. Quando o uso crescer, automaticamente entrará em vigor uma bandeira, que vai encarecer a conta imediatamente. “Só esse sistema terá um impacto de 7,7%”, estima o gerente de regulação da Safira Energia, Fábio Cuberos.  

O coordenador do MBA em setor elétrico da FGV/ Faculdade IBS, Diogo Mac Cord de Faria, destaca que o impacto que está por vir na conta não tem a ver com os empréstimos, mas com o causador. “Quando o governo antecipou a renovação das concessões, ele cancelou um leilão, no qual as distribuidoras comprariam energia para se ajustarem ao mercado. Como ficaram descontratadas, recorreram ao mercado livre, à vista. Estavam acostumadas a pagar de R$ 110 a R$ 150 o MWh e pagaram até R$ 820.” 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave