Corinthians quer vencer para colocar pressão no Cruzeiro

Mesmo com uma vitória, o Timão não consegue assumir a liderança por ter um número menor de vitórias no Brasileiro

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

O Corinthians enfrenta o Bahia, neste sábado, às 21 horas, no estádio Itaquerão, em São Paulo, pela 15.ª rodada, com o objetivo de continuar na cola do Cruzeiro, líder do Campeonato Brasileiro. A diferença entre os dois times é de três pontos (30 a 27) - o Internacional, segundo colocado, também joga neste sábado, às 18h30 contra o Goiás, e tem 28.

Se a equipe de Mano Menezes vencer o jogo, coloca mais responsabilidade no Cruzeiro, que vem de dois tropeços consecutivos e recebe o Santos, no domingo, em Belo Horizonte. “Isso é muito subjetivo, se você joga antes e perde alivia a pressão para quem joga depois. Mas se você vence, cria pressão. O que temos de fazer é pensar no nosso jogo, que é a maneira que a gente pode interferir (no campeonato)”, afirmou o técnico corintiano.

A parte de cima da tabela de classificação está bem equilibrada e tem o Fluminense, com 26 pontos, como quarta força após 14 rodadas. Dos quatro times, o Corinthians é o que tem menos vitórias (7). Segundo Mano Menezes, é cedo para fazer qualquer prognóstico de quem será o campeão. “Na verdade, gostamos de ser enfáticos, de coisas imediatas. Até há três rodadas, o Inter não estava nessa condição. A diferença entre as equipes é pequena, seja na ponta de cima ou na ponta de baixo da tabela”.

Mano Menezes preparou algumas novidades para o jogo - o terceiro confronto contra o Bahia em três semanas (os times se enfrentaram também pela terceira fase da Copa do Brasil). O técnico fechou uma parte do treino à imprensa para ensaiar jogadas de bola parada e posicionamento. É uma maneira de tentar surpreender o rival. Curiosamente, o Bahia terá o terceiro técnico nestes três jogos - Gilson Kleina fará a sua estreia.

O treinador do Corinthians não fez nenhuma mudança tática na equipe ou alteração na escalação. A única novidade do time é o retorno do lateral-direito Fagner, que não jogou o clássico contra o Santos. Até mesmo Petros, que corre sério risco de ser punido, vai jogar. Ele treinou entre os titulares e está confirmado no time. “Não adianta chorar, temos de olhar para frente, mas por enquanto não temos esse problema (a suspensão)”, falou.

Petros será julgado nesta segunda-feira pelo empurrão ao árbitro Raphael Claus no clássico. O STJD entendeu que o lance foi uma agressão e enquadrou o jogador em um artigo que pode render seis meses de gancho. Prevendo uma punição que parece certa, Mano Menezes já faz ensaios no time para quando não puder contar com Petros. O substituto natural, segundo o treinador, é Renato Augusto. Está descartada a entrada de um outro volante no time.

Mano Menezes conseguiu montar uma equipe consistente no setor defensivo, mas o time ainda não mostrou um futebol vistoso e muito ofensivo (é o pior ataque do G4). O Cruzeiro já marcou 29 gols no campeonato, 13 a mais que o Corinthians. “Precisamos respeitar os estilos diferentes das equipes, se perde e se ganha de várias maneiras. Minha obrigação é fazer o Corinthians vencer como técnico de ponta é fazer o Corinthians vencer e jogar bem, tem que ter esse objetivo”.

Ironicamente, o Corinthians foi melhor contra adversários de ponta do Brasileirão do que quando enfrentou rivais que estão na parte de baixo na tabela de classificação. O time que derrotou o Cruzeiro também perdeu para o então lanterna Figueirense na inauguração do Itaquerão.

Leia tudo sobre: corinthianscruzeirocampeonato brasileiropressaolideranca