Teoria crítica é aplicada à atualidade em nova obra

Professor Rodrigo Duarte lança volume sobre estética, arte, sociedade e comunicação

iG Minas Gerais | Deborah Couto |

Filosofia atual. Rodrigo Duarte traz uma análise atual da Teoria Crítica da Indústria Cultural
LEO FONTES / O TEMPO - 15/10/09
Filosofia atual. Rodrigo Duarte traz uma análise atual da Teoria Crítica da Indústria Cultural

O livro “Varia Aesthetica: Ensaios sobre Arte e Sociedade” reúne artigos dos últimos 14 anos de pesquisa de Rodrigo Duarte, professor titular do Departamento de Filosofia da UFMG. A obra, que tem lançamento marcado para hoje, na livraria Quixote, busca analisar a sociedade sob o olhar da Teoria Crítica, da Escola de Frankfurt, criada há mais de 60 anos. Baseada em teorias marxistas que encaram a mídia como instrumento de influência social capitalista, a Teoria Crítica discute como a reprodutibilidade da arte a torna um produto de consumo de massa.

“É um trabalho que eu e outros autores de fora do Brasil temos tentado fazer: checar em que medida ela (a Teoria Crítica da Indústria Cultural) ainda é atual. A resposta é positiva”, diz Duarte. “Quando essa teoria veio à tona, estava surgindo o cinema colorido. A Segunda Guerra Mundial estava acontecendo. Tudo o que veio depois, de modo muito curioso, culminou na chamada globalização que temos hoje. Ela marca o cenário atual com um ponto crucial: a indústria é globalizada. Ao mesmo tempo, ainda fazemos parte de um capitalismo monopolista e que visa o lucro. Os objetivos são os mesmos do passado: a conformidade com o status quo e a geração de lucro”, analisa Duarte.

Em “Varia Aesthetica”, o autor trata a arte na contemporaneidade por meio de conceitos como o de desartificação, que refere-se ao enquadramento da arte em bem de consumo. Por outro lado, novas formas de arte surgiram, como a performance e a arte digital. Para Duarte, no entanto, “é o artista quem vai definir se aquilo que criou é uma obra de arte ou uma mera mercadoria do meio”, afirma.

O autor discute ainda no livro o advento da internet “A internet é um instrumento interessante, pois rompe com a mesmice dos media tradicionais. Por outro lado, todas as suas ações têm nomes como Google, Microsoft e Facebook por trás. Esses escândalos de espionagem que vimos recentemente têm objetivos políticos e econômicos, assim como estamos sob constante vigilância a respeito dos nossos hábitos de consumo”, diz.

“É um marketing que considero diabólico. Ela monitora nossos dados depois vende a empresas que vão anunciá-los a nós”, completa.

Duarte cita o filósofo alemão – e amigo do autor – Christophe Türcke, que escreveu “Sociedade Excitada”. “Ele diz que antigamente as pessoas eram coagidas a recepcionarem um conteúdo. Hoje, com a internet, sobretudo com as redes sociais, elas são coagidas à emissão”, compara.

Agenda

O que: Lançamento de “Varia Aesthetica: Ensaios sobre Arte e Sociedade”

Onde: Livraria Quixote, (rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi)

Quando: Hoje, às 11h

Quanto: Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave