Pedro Botelho não teme pressão e concorrência na ala alvinegra

Chegada de Douglas Santos, ex-Náutico e Udinese, aumenta as dificuldades do lateral em se manter entre os 11 titulares

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA |

Pedro Botelho prega que é preciso trabalhar ainda mais para continuar na equipe
BRUNO CANTINI/ DIVULGAÇÃO ATLÉTICO
Pedro Botelho prega que é preciso trabalhar ainda mais para continuar na equipe

A titularidade chegou após um período complicado de lesões e de ver Emerson Conceição sendo sacado do time por conta das atuações ruins. Mas não demorou muito para Pedro Botelho se ver em mais um desafio no Atlético.

Apenas quatro dias depois do duelo ante o Palmeiras, no domingo, no qual Botelho ganhou uma chance como titular, um novo concorrente para o setor concedia sua primeira entrevista na Cidade do Galo.

A vinda de Douglas Santos, ex-Náutico e Udinese, aumenta as dificuldades de Pedro em se manter entre os 11 atletas que começam jogando. Mas Botelho não é de reclamar. Muito pelo contrário. Ele prega que é preciso trabalhar ainda mais para continuar na equipe e dar alegrias à Massa.

“Complicado mesmo foi quando cheguei aqui, devido às lesões. Não consegui uma sequência por conta disso. E no Atlético, a concorrência é grande. Tem o Emerson Conceição e agora veio mais um reforço. É uma disputa sadia. O Levir vai observar quem estiver melhor para escolher quem vai jogar”, disse.

O Atlético tem sofrido com as irregularidades na lateral esquerda, salvo Dátolo, que se saiu bem quando foi improvisado por ali. Emerson Conceição, por exemplo, foi alvo da raiva da Massa. Porém, Botelho está tranquilo com relação a uma eventual cobrança da torcida.

“Não me sinto pressionado em momento algum. Sei das minhas qualidades, das minhas características e do que posso render. Não me sinto pressionado. Sei que o Emerson foi criticado, acho que faltou paciência da torcida. E vou dar meu melhor para não sair mais da equipe”, comentou.

Leia tudo sobre: pedro botelhonaotemetitularidadedouglas santosatletico