Bate debate 15/8/2014

iG Minas Gerais |

Mulher de 30   Felipe Pedrosa Jornalista   A verdade, por mais cruel que seja, caro companheiro, é que temos medo desta geração de mulheres. E não faço referência às intituladas “novinhas mil grau”, que estão na faixa etária entre 18 e 22 aninhos e ainda não sabem ao certo o que querem da vida. Aqui, nestas linhas bêbadas, falo sobre as que estão com quase 30 anos ou, talvez, já atingiram as três décadas de vida. A conclusão de que nós, os tais portadores do desejado falo, tememos essas mulheres veio à tona depois que o meu e-mail foi invadido por uma mensagem quase anônima. Afinal, não sei tantos detalhes sobre a remetente — talvez, por puro medo!   “Então, tem uma coisa que me intriga muito! Vivo debatendo isto com as pessoas, mas ninguém tem uma explicação plausível ou convincente. Nós, mulheres de 30 anos, vivemos em um grande dilema”.    Essa é a primeira estrofe do texto, que segue contextualizado: “Na década de 80, tínhamos de ser mulherzinha: recatada, quietinha e pronta para servir o marido. Hoje, as pessoas dizem que nós temos de ser independentes, que não existe mais esse papo de ‘Amélia’, que podemos chegar em vocês e até mesmo chamar para sair”.    Descrição perfeita e verossímil, mas qual é o dilema? “Na verdade, essa coisa de mulher independente é a maior balela de todos os tempos. Independência assusta, e homem pode até gostar de mulher que chega junto, mas, logo depois, some no mapa. Meus amigos mesmo dizem que, em seguida, não procuram mais as fofas”.    Desculpe a sinceridade, mas seus amigos são todos medrosos. Afinal, eles fogem das mulheres. Na verdade, esses sujeitos fazem parte da parcela de homens que fogem das mulheres e realmente temem a independência feminina. E isso, cá entre nós, não quer dizer que o fato de poder chamar um boy para bons drinks seja balela.    E o e-mail prossegue: “Na minha opinião, isso acontece pelo motivo de o papel ser masculino. É ele quem precisa cortejar, chegar na mulher... Quando fazemos isso, tiramos dele o gosto da conquista, e o homem gosta de mulher que dá um certo trabalho. Tudo o que é fácil perde a graça. Não é mesmo?!”.   Não. Se é para responder à pergunta que finaliza o e-mail, eu digo não! O motivo de nós, homens “conquistadores”, possuirmos medo dessas mulheres independentes de quase 30 ou até mesmo com mais de 30 é simplesmente pelo fato de vocês saberem o que querem da vida.    Ao mesmo tempo em que não terão problemas em nos chamar para sair, para entrar em sua casa e até mesmo para ir a um motel, não terão problemas para dizer: “Foi bom, valeu, adeus!”. E nós, por mais que gostemos do título de contemporâneos sexualmente, quando estamos realmente interessados, não aturamos o chamado “pé na bunda”. É essa a verdade!   A mulher decidida, que sabe o que quer e aonde quer chegar, provoca medo nos homens disponíveis no mercado. Afinal, elas falam o que devem e tomam as atitudes que são necessárias. Enquanto isso, nós — eternos dependentes do sexo oposto — preferimos fugir e nos aninhar em colos efêmeros.   Leia mais em www.fspedrosa.blogspot.com

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave