Piloto foi alertado sobre drone

De acordo com a FAB, área a 20 km do aeroporto era utilizada por veículos aéreos não tripulados

iG Minas Gerais |

Violência. Avião caiu no quintal de uma casa
Tania Rego / Agencia Brasil
Violência. Avião caiu no quintal de uma casa

Brasília. O piloto do jato que conduzia o candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, foi alertado pela Aeronáutica da existência de uma área reservada para voo de Veículo Aéreo Não Tripulado (Vant) nas proximidades da base aérea de Santos. O documento da FAB informa que no período entre 11 e 31 de agosto os pilotos deveriam estar atentos a este fato.  

O Cessna prefixo PR-AFA caiu na manhã do dia 13, após tentar pousar no Guarujá, matando o candidato e outras seis pessoas. As causas do acidente estão sendo investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). A FAB confirmou, nesta quinta, ter emitido o alerta aos pilotos sobre uma área permitida para voo dos vants “a cerca de 20 quilômetros de separação da pista de pouso do aeródromo de Santos”.

A nota da FAB ressalva, no entanto, ser esta área “bem distante da possível trajetória realizada pelo PR-AFA no dia 13 de agosto”. O aviso, segundo a FAB, “não afirma que haveria um vant voando no momento” do acidente.

A Força Aérea, contudo, não descarta a possibilidade de existir algum vant operando no momento do acidente, assim como não descarta qualquer possibilidade que possa ter levado à queda do avião Cessna, que matou Eduardo Campos. “Todas as hipóteses são analisadas. Não descartamos nada”, observou um oficial.

Três pilotos ouvidos pela reportagem também avaliaram que a área permitida aos vants é bem distante do aeroporto, mas ponderaram que não se pode descartar a hipótese de deslocamento. “Era uma área que estava ativada para vant. Não deveria se descolar, mas é claro que pode acontecer”, afirmou Rodrigo Spader, diretor de regulação do Sindicato Nacional dos Aeronautas.

Especialista em investigação de acidentes aéreos, o comandante Carlos Camacho afirmou, após analisar o alerta, que “não se descarta a possibilidade de que o vant pode ter se colidido com o avião” em que estavam o governador e outras seis pessoas. “Temos que lembrar que o vant voa. Como é um objeto muito pequeno, se ele estava na linha pode ter contribuído para a explosão do motor”, completou.

Os Comandos da Marinha e do Exército também foram consultados sobre a possibilidade de terem vants voando na área. O Exército informou que a 1ª Brigada de Infantaria Antiaérea, localizada no Guarujá, possui vant. Mas assegurou que “ele não estava sendo empregado quarta-feira para treinamento”. Ainda de acordo com o Exército, “quando há emprego deste tipo de equipamento, o espaço aéreo é fechado”.

A Marinha, por sua vez, declarou que não tem nenhum navio da sua esquadra operando na região de Santos, em São Paulo. A Polícia Federal também negou que seu vant estivesse em operação próximo ao local do acidente.

Bebê tem alta

A menina Gabriela, de 1 ano e 9 meses, recebeu alta na manhã desta quinta. O bebê levou seis pontos no braço esquerdo e estava em observação, já que teve algumas escoriações na cabeça. A criança foi liberada pela equipe médica por volta das 9h. Gabriela e a mãe, Larissa Pires Corrêa Andrade, 34, estavam em casa e escaparam do acidente que matou Campos.

Choque

O tenente-coronel Roberto Lago, porta-voz do Corpo de Bombeiros de São Paulo, admitiu que ficou chocado com a violência do choque do avião de Eduardo Campos. Fragmentos de corpos foram encontrados a 130 m de distância do ponto zero do acidente. “Nunca vi uma violência tão grande”, afirmou o oficial. Dez imóveis na região do acidente foram interditados.

Desalojados

A queda do avião que conduzia Eduardo Campos no bairro Boqueirão, em Santos, deixou 50 pessoas desalojadas, segundo a Defesa Civil da cidade. Ao todo, dez imóveis estão inclusos na área de segurança, sendo quatro casas, três estabelecimentos comerciais e mais três edifícios com um total de 36 apartamentos. Os trabalhos de limpeza dos locais podem começar nesta sexta.

Coleta

O trabalho de coleta dos restos mortais das sete vítimas do acidente foi concluído nesta quinta à tarde. Agora, o trabalho se dará em torno da identificação dos mortos. “A coleta está encerrada. E faltava apenas o perfil genético de um dos pilotos, de Governador Valadares (MG). Um avião com um perito já foi à cidade fazer a coleta”, afirmou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave