Jogador admite amizade com suspeito, mas nega envolvimento com milícia

Luiz Antônio admitiu nesta quinta-feira (14) ser amigo do policial civil Alexandre da Rocha Antunes, preso na semana passada sob suspeita de integrar a milícia Liga da Justiça

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O jogador do Flamengo Luiz Antônio admitiu nesta quinta-feira (14) ser amigo do policial civil Alexandre da Rocha Antunes, preso na semana passada sob suspeita de integrar a milícia Liga da Justiça. Ele, porém, negou qualquer envolvimento com a organização criminosa.

O meia é investigado por estelionato e corre risco de ser indicado por formação de quadrilha. Segundo as investigações, o volante teria dado um carro de presente ao miliciano e depois tentado usá-lo num golpe, registrando o veículo como roubado.

"Não tenho relação com a milícia, não sabia dessa face dele. Ele andava comigo e se apresentava como irmão. Nunca ia acreditar que um policial civil da ativa estaria no meio disso. Estamos sendo acusados de uma coisa que a gente não fez", disse o jogador após prestar depoimento numa delegacia no centro do Rio.

Sobre o suposto "golpe do seguro", Luiz Antonio negou. "O carro foi roubado com meu pai dentro", disse o jogador, após o depoimento de cerca de uma hora e meia na Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais.

O jogador está afastado dos treinos do Flamengo desde o início da semana por causa das investigações da polícia.

Na semana passada, 21 pessoas, sendo cinco PMs, foram presas em uma operação para desarticular a milícia, que controlava seis condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida no Rio.

De acordo com a polícia, os criminosos cobravam dos moradores por serviço como água, luz, internet e segurança. Os policiais calculam que o rendimento mensal da quadrilha era de cerca de R$ 1 milhão.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave