Pentágono fornece armas a Israel sem aprovação da Casa Branca

Segundo publicação do "Wall Street Journal", os israelenses usaram US$ 3 milhões financiados pelos EUA para comprar tanques antes que o pedido fosse autorizado pelo Congresso americano

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

 Os esforços da Casa Branca e do Departamento de Estado americano para refrear a campanha militar de Israel em Gaza estão sendo burlados pelo Pentágono, que enviou armas aos israelenses sem a autorização do governo, segundo publica o "Wall Street Journal" nesta quinta (14).

Os esforços diplomáticos dos EUA e as críticas ao primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, tiveram pouco efeito, uma vez que Israel usou caminhos pelo Pentágono e pelo Congresso americano para receber apoio na guerra em Gaza.

Poucos dias antes da ofensiva terrestre em Gaza e temendo uma guerra prolongada, Israel pediu recursos ao Departamento de Defesa americano para seu domo de ferro, o sistema que intercepta mísseis sobre o território israelense.

O secretário da Defesa, Chuck Hagel, consultou a Casa Branca e propôs ao Congresso uma ajuda de US$ 225 milhões.

Como o pedido não era urgente -Israel só precisaria do dinheiro para repor os mísseis interceptores que seriam utilizados ao longo da ofensiva Margem Protetora-, o Congresso deveria aprovar o financiamento nos próximos meses.

Segundo apuração do "WSJ", porém, Israel também solicitou munição diretamente ao Pentágono no dia 20 de julho. Fontes disseram que o pedido foi aprovado por canais militares três dias depois, mas não foi tornado público e tampouco passou pela aprovação do governo americano

Com esse acordo, os israelenses usaram US$ 3 milhões financiados pelos EUA para comprar tanques. O "WSJ" diz ainda que, além do pedido por tanques e munições, Israel pediu aos militares americanos um grande número de mísseis Hellfire.

Quando o Pentágono estava prestes a liberar uma parte dos mísseis, a Casa Branca pediu que o órgão de defesa e outras agências militares consultassem o Departamento de Estado antes de aprovar novos pedidos.

Desde então, o governo Obama aumentou o controle no envio de armas a Israel, relata o "WSJ". A guerra em Gaza levou as relações diplomáticas entre Israel e seu maior aliado ao nível mais baixo desde que Obama assumiu a Presidência em 2009.

Os Estados Unidos condenaram duramente o ataque israelense a uma escola da ONU em Jabaliya, que abrigava cerca de três mil palestinos deslocados pelo conflito.

Israel e Hamas respeitam uma trégua nesta quinta-feira, depois que um novo cessar-fogo de cinco dias começou com lançamentos de foguetes palestinos e ataques aéreos israelenses durante a noite de quarta-feira (13). A ofensiva Margem Protetora iniciada em 8 de julho deixou 1.945 palestinos e 67 israelenses mortos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave