Governo de PE estima participação maciça em funeral

Três toldos serão instalados na calçada do Palácio onde ficarão expostos os caixões de Campos e assessores

iG Minas Gerais | Da Redação |

Depois de nove anos da morte do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, o cerimonial do Palácio Campos das Princesas estima que o funeral de Eduardo Campos paralise Recife. Campos, neto de Miguel Arraes e que era o candidato do PSB à Presidência da República, morreu nesta quarta-feira, 13, em acidente aéreo em Santos, no litoral paulista. No funeral de Arraes, 80 mil pessoas se aglomeraram no centro da capital pernambucana para acompanhar o velório e o cortejo do corpo até o cemitério Santo Antônio. Pelos cálculos da Casa Militar do governo pernambucano, a comoção provocada pela morte trágica de Campos deve fazer com que o velório do neto supere o do avô em número de pessoas nas ruas. Na manhã desta quinta-feira, 14, as imediações do Palácio Campos das Princesas já foram isoladas e alguns populares começam a se aglomerar na praça em frente à sede do governo estadual. Grades foram instaladas e assim que forem liberados os corpos, três toldos serão instalados na calçada do Palácio onde ficarão expostos os caixões de Campos, de seu assessor de imprensa Carlos Percol e do fotógrafo Alexandre Severo. O governo conta com a possibilidade de a cerimônia ser realizada sábado ou domingo.  O volume de pernambucanos se despedindo de Campos deve superar o de Arraes, considerado até então o de maior comoção popular do Estado. Há informações de que caravanas estão sendo organizadas no interior do Estado para acompanhar o funeral no Recife, além da presença de autoridades de todo o País. No evento de transmissão do cargo, em 4 de abril, Campos reuniu 15 mil pessoas diante do Palácio. A família de Campos pediu que o velório não fosse realizado dentro do prédio do governo e que o evento fosse aberto ao público, uma vez que não há estrutura no interior do prédio de 1841 para comportar fluxos intensos de pessoas. As famílias pediram que o velório de Campos, Percol e Severo fosse simples e em conjunto. Segundo o governo local, foi oferecido um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para o traslado dos corpos. Após o velório, os corpos seguirão em um carro do Corpo de Bombeiros até o cemitério, que fica próximo do Palácio. A população poderá seguir o cortejo à pé.  

Leia tudo sobre: eduardo camposfuneral2014pernambucohomenagemmortevelórioenterro