Câmbio prejudica siderúrgicas

O executivo ressaltou que não é só a siderurgia que está passando por um momento complicado

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

Steinbruch reclama do câmbio
Wellington Pedro/SECOM-MG - 23.1.2010
Steinbruch reclama do câmbio

São Paulo. Com as vendas internas 6% mais baixas no acumulado do ano até julho frente a igual período de 2013, conforme dados do Instituto Aço Brasil, a saída para as siderúrgicas brasileiras seria o mercado externo. Entretanto, o presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Benjamin Steinbruch, afirma que o problema é a atual taxa de câmbio. “O real está valorizado. A exportação seria uma opção para não parar de produzir, mesmo que a margem seja menor”, diz.  

De acordo com ele, atualmente, a utilização da capacidade instalada da companhia está plena. “Ainda está”, frisou.

Com relação à possibilidade de corte de preço do aço no mercado interno, o executivo disse esperar que não haja mais reduções, já que as margens estão apertadas. “Quando se tem um mercado difícil, a primeira coisa que se faz é reduzir preços, mas isso tem um limite”, diz.

O executivo ressaltou que não é só a siderurgia que está passando por um momento complicado. “Está difícil para todo mundo, mas temos chance de melhorar. É preciso tomar algumas medidas rapidamente. Precisamos que o consumo continue, também gastos em infraestrutura e novos projetos. Se mantém consumo, mantém produção e mantém emprego”, observou. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave