Premiê só deixa cargo com decisão judicial

A televisão estatal informou que Abadi estava trabalhando na formação de um novo gabinete e no desenvolvimento de um programa de governo de acordo com outros blocos políticos

iG Minas Gerais |

Bagdá, Iraque. O primeiro-ministro do Iraque, Nuri al-Maliki, disse ontem que a nomeação de Haidar al-Abadi para substituí-lo violou a Constituição e “não tinha nenhum valor”. Maliki disse que não deixará o cargo e que seu governo só será substituído se o Tribunal Federal determinar sua saída.  

Para o premiê, a nomeação do novo primeiro-ministro não era válida sem a decisão final do Tribunal Federal, para o qual apelou anteontem contra a decisão de encarregar Abadi com a formação de um novo governo.

Após sua nomeação pelo presidente Fuad Massum na segunda-feira, o xiita Abadi recebeu apoio do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, das Nações Unidas e da União Europeia. Também saudaram sua nomeação o Irã, aliado histórico de Maliki, a Liga Árabe e a Arábia Saudita.

A televisão estatal informou que Abadi estava trabalhando na formação de um novo gabinete e no desenvolvimento de um programa de governo de acordo com outros blocos políticos.

O novo governo iraquiano terá o desafio de derrotar os radicais islamitas que tomaram parte do território do norte do país, ameaçando etnias minoritárias, e levaram os EUA a interferirem no conflito com ataques aéreos contra os militantes do Estado Islâmico.

O xiita Maliki, que ocupa o cargo de primeiro-ministro desde 2006, é criticado por marginalizar iraquianos sunitas, curdos e minorias.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave