EUA podem mandar tropas ao Iraque para resgatar minoria

França anuncia que enviará armamentos para os curdos se defenderem de grupo radical

iG Minas Gerais |

Destruição. Estado Islâmico detonou carros-bomba em distrito próximo à capital iraquiana ontem
KARIM KADIM
Destruição. Estado Islâmico detonou carros-bomba em distrito próximo à capital iraquiana ontem

Washington, EUA. Os Estados Unidos não descartam a possibilidade de enviar soldados para ajudar as forças iraquianas a resgatarem refugiados da minoria yazidi, caso a opção seja levantada por assessores militares norte-americanos que analisam a situação.  

Benjamin J. Rhodes, o vice-assessor de segurança nacional, afirmou nesta quarta que, nos próximos dias, o presidente Barack Obama deve receber recomendações a respeito das operações de resgate de refugiados no Norte do Iraque, e que o uso de tropas terrestres pode estar incluído.

No entanto, Rhodes fez uma distinção entre o uso de forças norte-americanas no auxílio a uma missão humanitária e o uso de tropas em combate contra militantes do Estado Islâmico (EI), uma opção que, de acordo com o vice-assessor, Obama continua rejeitando. “O presidente descartou a possibilidade de colocar tropas em combate no Iraque”, afirmou Rhodes.

O declaração dos EUA foi dada pouco antes de um comandante do EI declarar ter ao menos cem mulheres e crianças yazidis como reféns. O grupo teria sido sequestrado do local para onde os EUA consideram enviar tropas de resgate.

ENVIO DE ARMAS. A França vai começar a enviar armas para a região semiautônoma iraquiana do Curdistão nas próximas horas para ajudar os soldados locais a conterem o avanço dos insurgentes do grupo Estado Islâmico (EI), afirmou o presidente François Hollande nesta quarta. O escritório de Hollande disse que o plano para o envio iminente de armamento já foi discutido com o governo central do Iraque.

“A França quer ter um papel ativo no fornecimento – em coordenação com seus parceiros e com as novas autoridades iraquianas – de toda a ajuda necessária”, diz o comunicado. Os curdos lutam para rechaçar os ataques do EI, que conquistou o controle de grandes partes dos territórios sírio e iraquiano nos últimos meses.

Os ministros de Relações Exteriores da União Europeia realizarão uma reunião emergencial nos próximos dias para discutir a crise no Iraque e os conflitos na Ucrânia e na Faixa de Gaza, segundo autoridades do bloco.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave