Morte de Eduardo Campos ajuda Bolsa a cair 1,53%

Mercado vê incerteza sobre eleições e pressão sobre Petrobras

iG Minas Gerais |

Ações. As ações da Petrobras tiveram os piores resultados na Bovespa ontem, com queda de 5,15%
Felipe Dana/AP Photo/23.9.2010
Ações. As ações da Petrobras tiveram os piores resultados na Bovespa ontem, com queda de 5,15%

São Paulo. A Bovespa abriu em alta, seguindo o exterior, e operou assim até a hora do almoço, quando as especulações em torno da morte do presidenciável Eduardo Campos começaram a bater nas mesas de operações. A confirmação de que o candidato do PSB estava no avião que caiu em Santos, sem sobreviventes, levou a uma onda generalizada de vendas que “maltratou” sobretudo de Petrobras.  

O mercado recuperou o fôlego comprador à tarde, em meio ao vencimento do Ibovespa futuro e ao vencimento de opções sobre Ibovespa, mas não sustentou e acabou fechando abaixo dos 56 mil pontos. O Ibovespa encerrou o dia em queda de 1,53%, aos 55.581 pontos.

No mês, voltou a acumular perda, de 0,44%, enquanto, no ano, sobe 7,91%. O giro, reforçado pelo exercício, somou R$ 15,492 bilhões. Petrobras PN caiu 5,15% e Petrobras ON, 4,98%, entre as maiores quedas do índice no dia. Vale e siderúrgicas operaram em baixa o dia todo, refletindo do descontentamento com indicadores na China. Vale PNA recuou 2,38%.

O valor acrescentado da produção industrial da China teve crescimento de 9,0% em julho, ante o mesmo período de 2013, de alta de 9,2% em junho. O resultado ficou em linha com a expectativa dos analistas. O indicador que mede as vendas no varejo da China registrou elevação de 12,2% em julho ante o mesmo período do ano anterior, desacelerando em relação ao crescimento de 12,4% observado em junho.

Analistas projetavam avanço um pouco maior, de 12,5% em julho. Segundo operadores, o pregão foi todo contaminado pelas dúvidas sobre como ficará o cenário eleitoral sem a presença de Campos, com o mercado na defensiva. Para José Roberto de Toledo, coordenador do Estadão Dados, a morte de Eduardo Campos tem potencial para revirar o cenário eleitoral e político do país. A hipótese mais cogitada é de que a vice na chapa de Campos, Marina Silva, será agora a candidata.

E isso pode levar a disputa para o segundo turno de fato, mas pode atrapalhar a candidatura de Aécio Neves. Segundo o diretor de pesquisas para mercados emergentes do Eurasia Group, Christopher Garman, caso Marina Silva se torne a candidata do PSB à Presidência, fica dividida a disputa da oposição para chegar ao Palácio do Planalto. Antes da tragédia, porém, o sinal de alta predominava na Bovespa, inspirada pelo desempenho das bolsas norte-americanas. Dow Jones registrou 0,55%, aos 16.651,80 pontos, S&P subiu 0,67%, aos 1.946,72 pontos, e Nasdaq registrou valorização de 1,02%.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave