Criador da marca seguiu passos dos pais comerciantes

O projeto até o final deste ano é abrir lojas no interior de São Paulo; em Brasília; em Salvador (BA) e no Espírito Santo

iG Minas Gerais |

O dono da Sketch, Carlos Lima, é baiano, mas reside em Belo Horizonte há 30 anos. Ele adotou a capital mineira para trabalhar e morar. Segundo o diretor da Sketch Fábio Longo, Lima já nasceu com “veia do comércio”. Ele era filho de grandes comerciantes da Bahia, na região de Caetité e iniciou o negócio com uma franquia de roupas masculinas, mas depois decidiu atuar sozinho. Foi quando ele criou, na década de 90, a Sketch. Inicialmente, o empresário começou com apenas uma loja e à medida que o negócio ia expandindo-se, criou a Fábrica Caetité de Confecção. A partir daí, Carlos Lima – que já tinha “nas veias o sangue” de comerciantes – foi aumentando o grupo de lojas. O investimento inicial foi de cerca de R$ 2 milhões – montante investido no primeiro ponto e na fábrica de confecções. Hoje, a Sketch tem 32 lojas – grande parte concentrada em Belo Horizonte e região metropolitana e lojas em Sete Lagoas, Uberlândia, Teófilo Otoni, Ponte Nova, Itabira, além de João Monlevade. O projeto até o final deste ano é abrir lojas no interior de São Paulo;  em Brasília; em Salvador (BA) e no Espírito Santo. A expectativa de Fábio Longo é terminar 2014 com cerca de 40 lojas. Em 2015, serão abertas Sketch em Ipatinga e Uberaba. Fora de Minas, a marca tem três lojas em Manaus.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave