Ciclista mineiro de uma mão vai disputar Mundial Amador

Desde 2010, atleta da cidade de Santa Bárbara já faturou nada menos que 49 títulos no ciclismo

iG Minas Gerais | Diego Costa |

Felicidade. Por causa do seu desempenho, Athos Martins foi convidado para disputar o Mundial de Ciclismo Amador, na Eslovênia
LEO FONTES / O TEMPO
Felicidade. Por causa do seu desempenho, Athos Martins foi convidado para disputar o Mundial de Ciclismo Amador, na Eslovênia

Aprender a andar de bicicleta é algo mágico. Após muitos tombos, as primeiras pedaladas surgem. E é como dizem, “uma vez aprendido, não mais esquecido”. Agora, imagine perder uma das mãos e, ao invés de andar mais devagar, resolver se arriscar em competições de velocidade? O mineiro Athos Martins sabe bem o que é isso.  

Residente em Santa Bárbara, na região central do Estado, ele vive a expectativa de disputar o Campeonato Mundial de Ciclismo Amador, na Eslovênia, país do Leste Europeu. A competição ocorrerá do dia 28 a 31 de agosto, na cidade de Liubliana. Mas para chegar lá, Athos teve de pedalar forte para superar muitos obstáculos.

Quando tinha 7 anos de idade, ele perdeu os pais em um acidente de carro e ainda teve de amputar parte do braço esquerdo. “Eu já sabia tocar violão, amarrar os sapatos, andar de bicicleta. Depois da tragédia, tive que aprender tudo de novo. Quando consegui amarrar os sapatos, percebi que nada mais seria impossível para mim”, confessou Athos.

E foi neste espírito que, após ganhar uma bicicleta, aos 22 anos, começou a trajetória no ciclismo, em competições de velocidade e mountain bike.

“No Natal de 2009, resolvi pedalar de Belo Horizonte para Santa Bárbara. Gastei 11h para percorrer cerca de 115 km. Eu tive vontade de diminuir esse tempo. Sou movido a desafios”, comentou. Em 2010, já estava competindo contra para-atletas e ciclistas normais.

Hoje, com 27 anos, já são 49 títulos nas categorias normal e para-desportista. O bom desempenho lhe rendeu o convite para participar do Campeonato Mundial da Eslovênia. Lá, vai disputar contra ciclistas normais. Aí, entrou outra pedra sempre presente no seu trajeto: a falta de recurso. Athos precisava de R$ 6.600 para a viagem. Após várias negativas, a solução que encontrou foi o site Vakinha, especializado em doações pela internet. Em um mês, conseguiu a quantia de cerca de R$ 4.300. Pelo Facebook, agradeceu aos mais de 70 colaboradores.

“Vejo, em tal atitude, o incentivo ao esporte podendo fazer algo pelo ciclismo no nosso país. Essa prova será uma grande experiência, a vontade de fazer algo pelo esporte, o desenvolvimento de táticas e a evoluir o meu ciclismo”, postou Athos.

 

Saiba mais

Como ajudar. A “vaquinha” de Athos continua no ar, no link: http://www10.vakinha.com.br/VaquinhaE.aspx?e=271431. O valor mínimo de doação é de R$ 5. O telefone dele é: (31) 8672-2952

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave