Preço da gasolina deve aumentar em 5% após eleições

Governo até poderia se decidir pela concessão do reajuste antes do processo eleitoral, mas isso não seria suficiente para acalmar os mercados

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Banco vê reajuste de 5% da gasolina após eleições
Banco vê reajuste de 5% da gasolina após eleições

O sócio e diretor de Relações Institucionais do Banco Brasil Plural, Mário Mesquita, afirmou nesta segunda-feira (11), que um reajuste de cerca de 5% nos preços da gasolina deve ocorrer até o fim do ano, muito provavelmente depois das eleições. Segundo ele, o governo até poderia se decidir pela concessão do aumento antes do processo eleitoral, mas isso não seria suficiente para acalmar os mercados.

"A questão toda é a mecânica, a forma como esses reajustes acontecem. O que preocupa os investidores não é só a defasagem em si, mas o fato de que não existe uma regra clara e transparente sobre como o preço da gasolina é definido no Brasil", disse em entrevista ao Broadcast, antes de participar do 3º Colóquio do Fórum da Liberdade, promovido pelo Instituto de Estudos Empresariais (IEE).

"Só antecipar, digamos, um aumento de 5% este ano, não vai eliminar as perdas que a Petrobras tem no comércio de gasolina e derivados. Então (o reajuste) não resolve o problema se não vier acompanhado de regras mais claras", explicou Mesquita, que foi diretor de Estudos Especiais do Banco Central entre os anos 2006 e 2007 e depois, por três anos, diretor de Política Econômica da instituição por outros três anos.

Essa incerteza causada pelo represamento de preços, de acordo com o economista, tende a ser dirimida, mas somente no ano que vem, e virá acompanhada de outros reajustes, da própria gasolina e também de energia elétrica e tarifas de transporte urbano. "Esta agenda de aumentos vai pressionar a inflação, que deve acelerar de forma importante nos primeiros meses de 2015", revelou.

Para Mesquita, a inflação de 2015 ficará em torno de 6,7%, acima do teto da meta estipulada pelo governo, e mais alta do que a deste ano, que ele estima em 6,3%.

Equipe econômica

O economista acredita que é natural haver um certo nervosismo dos mercados associado ao processo eleitoral. "Ainda mais neste caso, em que parece que existe de fato a perspectiva de alternância de poder", falou. Segundo ele, tomar medidas que agradem o mercado, como aumentar a previsibilidade, reduzir ações discricionárias e trabalhar para baixar a inflação, está ao alcance de qualquer partido político. "É só escolher uma equipe econômica que tenha esta visão e implemente isso", disse.

De acordo com Mesquita, a questão de formação de equipe será fundamental para sinalizar com clareza, para a sociedade e para os investidores, de que forma será conduzida a política econômica. "Alguns candidatos já sinalizaram quem será a equipe, outros ainda não fizeram", afirmou. "Sem novidades a gente assume a continuidade das pessoas que estão lá."

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave