Infraero quer negociar 'prejuízo' com governo federal

Outra opção seria que o governo federal ressarcisse a Infraero pelo serviço de navegação aérea operado pela estatal

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Infraero pede alternativas ao governo federal para fazer frente ao prejuízo de R$ 450 milhões estimado para o ano que vem. Com a concessão de cinco aeroportos que antes estavam sob o comando estatal e sua consequente perda de receitas, a empresa tem negociado com o governo o lançamento de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) que atingisse 2,5 mil funcionários. Outra opção seria que o governo federal ressarcisse a Infraero pelo serviço de navegação aérea operado pela estatal, cujo custo está avaliado em R$ 500 milhões por ano.

Até 2012, quando o caixa da Infraero era positivo, a empresa bancou os custos dessa operação. São 75 unidades de navegação aérea sob o comando da estatal, além de 61 aeroportos. "Outra solução é a questão da navegação aérea. A Infraero é que faz a navegação aérea, e tudo isso é um custo do Estado. Se o Estado ressarcir a Infraero pelos custos que ela tem com a navegação aérea, são cerca de R$ 500 milhões por ano", disse nesta segunda-feira, 11, o presidente da estatal, Gustavo do Vale.

"Ou ele ressarci sobre esse valor, ou permite o PDV", disse Vale em coletiva à imprensa. A partir desta terça-feira, 12, a Infraero repassa a operação dos aeroportos do Galeão (RJ) e Confins (MG) às concessionárias que ganharam o leilão realizado em novembro do ano passado.

No sábado, o jornal O Estado de S.Paulo informou que a Infraero negocia o desligamento de 2,5 mil funcionários - cerca de 20% do seu quadro atual de 12,5 mil empregados -, número considerado necessário para equalizar receitas e despesas. Hoje, Vale afirmou que ainda não há data para o lançamento do programa, mas adiantou que 1,6 mil funcionários de todo o País já sinalizaram que optariam pela demissão voluntária. "Estamos em processo de negociação com o governo federal. (O PDV) Pode vir em 2015, em 2016, ou quando o governo entender", disse.

A Infraero não tem recursos em caixa para a realização do PDV. Por isso, precisaria de um aporte de R$ 750 milhões do Fundo Nacional de Aviação Civil (Fnac). "A cada R$ 60 milhões gastos, economizo R$ 36 milhões por ano. O PDV se paga em um ano e quatro meses", citou. Questionado sobre se a empresa ficaria dependente de aportes caso nenhuma das soluções seja colocada em prática, ele foi sucinto. "Sem dúvida."

Segundo Vale, cerca de 80% dos funcionários que trabalhavam nos aeroportos de Guarulhos (SP), Viracopos (Campinas, SP) e Brasília (DF) foram realocados ou cedidos a outros órgãos quando a concessionária assumiu a operação. "No Galeão e em Confins, ainda não sabemos, será uma decisão da própria concessionária. Mas imaginamos que seja mais ou menos a mesma fatia", disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave