Sonhos, mitos e arquétipos

Academia Mineira de Letras sedia no fim desta semana o primeiro Seminário Internacional Junguiano da capital

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |

Psicanalista. O organizador Inácio Cunha teve seu primeiro contato com Jung durante o doutorado nos EUA e se especializou em Zurique
Arquivo pessoal
Psicanalista. O organizador Inácio Cunha teve seu primeiro contato com Jung durante o doutorado nos EUA e se especializou em Zurique

Considerado o fundador da psicologia analítica e pai de conceitos como o inconsciente coletivo e o arquétipo, Carl Jung nem sempre foi totalmente aceito pela comunidade acadêmica, devido à sua proximidade com a filosofia e o ocultismo, e às acusações de que teria simpatizado com o nazismo. Nos últimos anos, porém, o interesse pela obra do psiquiatra tem crescido exponencialmente mundo afora, e Belo Horizonte contribui para essa redescoberta com o primeiro Seminário Internacional Junguiano, que acontece sexta-feira e sábado próximos na Academia Mineira de Letras.

O organizador do evento, o psicanalista Inácio Cunha, explica que o seminário foi motivado pelo fato de que, apesar de as pessoas estarem cada vez mais interessadas em Jung, ainda não existem centros onde se possa ensinar a psicanálise. Para ele, mesmo no universo acadêmico, ainda se fala muito pouco da obra do psiquiatra. “Um seminário internacional é a ideia de fazer algo realmente seminal, que a gente possa compartilhar, espalhar e fazer conhecer o olhar do Jung e como ele acomoda o drama existencial humano”, justifica.

Voltado tanto para estudantes e curiosos quanto para profissionais da área, o evento será realizado em parceria com a AML, marcando um momento em que a instituição busca compartilhar com o grande público as discussões que acontecem dentro da própria Academia, democratizando o saber e uma postura de lidar com a produção intelectual e científica. Para selar essa união, o presidente da entidade, Olavo Romano, falará na abertura do seminário, sexta, às 19h, sobre sua relação com Jung.

Nos anos 1980, um grupo de psicólogos que estudava a obra do psiquiatra e mitologia grega convidou Romano para subsidiar a pesquisa com suas contribuições. “Fizemos vários seminários, fundamos o Instituto Jung de Minas Gerais, e vou falar sobre essa experiência”, conta o presidente.

Para ele, a contribuição do teórico à literatura reside na importância dada por ele à análise dos sonhos e, principalmente, nos mitos e arquétipos, conceitos centrais da teoria junguiana. “Quando se compreende que mito você vive, é mais fácil perceber que caminho você anda. Isso fica claro na jornada do herói, na ideia de focar na autorrealização como uma sucessão de desafios, e não no problema”, analisa Romano.

Além dele, o seminário contará com uma série de convidados internacionais no sábado. A psicanalista novaiorquina Andrea Hunt falará da análise do processo de transformação psíquica pelo candomblé e outras práticas religiosas. Também de lá, a fundadora do Instituto de Psicanálise Junguiana de Nova York Sherry Salman abordará o “Sonho de totalidade” – estratégias de reintegração da personalidade que nos acorrem em situações adversas e que podem surgir como imagens oníricas.

Ainda no sábado, a psiquiatra Sonia Marchi, analista junguiana formada em Zurique, fará uma palestra sobre a “Tessitura do coração’, ou como as imagens do Eros perpassam as relações humanas e podem ser tanto curadoras quanto redentoras do drama existencial. E encerrando o seminário, o próprio Inácio Cunha apresentará um estudo sobre o texto “Uirá Sai à Procura de Deus”, escrito por Darcy Ribeiro, sobre o drama de um índio da tribo Kaapor que sofre um processo de aculturação.

Cunha explica que o seminário é o resultado da série “Encontros sobre Temas Junguianos”, realizada mensalmente por um grupo de estudos em Belo Horizonte. “Trazemos convidados das mais diferentes áreas, com o objetivo de fazer um intercâmbio do olhar junguiano com aquele determinado tema”, explica.

Além dos encontros, o grupo já traduziu dois livros sobre psicanálise junguiana, escritos por Marie-Louise von Franz, uma das maiores especialistas do mundo na área. “As Visões de Perpétua”, estudo sobre a psicologia do feminino, já foi lançado; e “O Asno de Ouro”, sobre a visão do psiquiatra para o homem, deve sair pela editora Vozes em breve.

Programe-se

Seminário Internacional Junguiano

Quando. Dias 15 e 16/8

Onde. Academia Mineira de Letras – rua da Bahia, 1.466, centro

Inscrições. até 13/8, pelo email seminariojunguiano@gmail.com

Quanto. R$ 70 (estudantes) e R$ 120 (profissionais)

Informações. 3222-5764

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave