Cerca de 30 mil pessoas participaram da Parada Gay de BH

Em ano de eleição, o tema desta vez era: “Vote contra a Violência. Eleja quem te representa”

iG Minas Gerais | JOANA SUAREZ |

Para do orgulho LGBT reuniu milhares de pessoas na praça da Estação, ponto de encontro da marcha. FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 10.08.2014
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Para do orgulho LGBT reuniu milhares de pessoas na praça da Estação, ponto de encontro da marcha. FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 10.08.2014

Cerca de 30 mil pessoas participaram neste domingo (10) da 17ª Parada do Orgulho LGBT, conforme a organização do evento. O público se reuniu na praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte, para lutar pelos direitos do público gay e o fim do preconceito. Em ano de eleições, o tema desta vez era: “Vote contra a Violência. Eleja quem te representa”.

“Nós somos obrigados a votar e depois não temos os mesmos direitos. Ainda há muito a ser conquistado, precisamos pelos menos do respeito da sociedade”, explicou. Segundo ela, o Dia dos Pais também foi uma forma de homenagem, já que muitos gays são expulsos de casa quando revelam sua opção sexual.

‘O amor não tem sexo; onde o amor é perfeito não há preconceito; mais importante que beijar, é poder beijar’ - eram algumas das frases gritadas pelos movimentos a favor da comunidade gay. No palco, líderes ressaltavam que camisinhas e diagnósticos de HIV são disponíveis em todos os centros de saúde da capital.

As amigas Raine e Sheury estavam lá para mostrar seus sentimentos. "No dia-a-dia não podemos nos expressar. Mas em grupo conseguimos ser livres", afirmou. Já o casal de aposentados Egberto Barbosa, 73, e Leda Barbosa, 76, foram só para observar o movimento e viraram atração tirando fotos com o público. "É o quarto ano que a gente vem só para olhar a festa. Essa é a opção deles. Gosto não se discute", avaliou Egberto Barbosa. Quem também chamava atenção era o anjo de arco-íris Lucas Silva, 31, que vai há oito anos na parada da capital vestido de anjo. "Cada vez escolho uma cor diferente".

O vendedor ambulante Carlos Vianna, 47, vai em todas as paradas do Brasil e cinco no exterior, há 20 anos, para vender artigos LGBT: pulseiras, bandeiras, gravatas e terços. Tudo com as cores do arco-íris. Paulista e filho adotivo de duas mulheres lésbicas, ele conta que vende cerca de R$ 2.000 em cada um dos 86 eventos que vai por ano. "Comecei a viver disso quando meu tio foi assassinado na primeira Parada de São Paulo", disse Carlos que tem uma página no Facebook: Artigos LGBT Brasil.

Até o fim da tarde, a Polícia Militar informou que não havia ocorrências de destaque e o evento corria de forma tranquila.

Leia tudo sobre: parada gaybhlgbtparadapraça da estaçãohomossexuaispreconceito