Felipão diz ter 'mais bagagem' para suportar a derrota

Treinador afirmou que tem experiência para encarar maior rival logo na estreia e se disse "feliz por ter voltado ao Grêmio"

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Felipão quer evitar que o time desabe depois de tomar um gol, como ocorreu no Gre-Nal
Grêmio/Reprodução
Felipão quer evitar que o time desabe depois de tomar um gol, como ocorreu no Gre-Nal

Derrotado por 2 a 0 pelo Internacional de Abel Braga, o novo técnico do Grêmio e ex-técnico da seleção brasileira Luiz Felipe Scolari revelou que encarou o desafio de estrear contra o maior rival do clube que passou a dirigir porque tem experiência inclusive para enfrentar reveses.

"Eu não precisava estar aqui", destacou, em meio à entrevista coletiva na qual explicava mais um placar adverso, ao final do jogo no Beira-Rio, neste domingo, lembrando que poderia ter deixado a tarefa para o interino André Jardine e se resguardado para começar a orientar o time na próxima rodada. E justificou afirmando que considera "horrível" um técnico ter medo de enfrentar o Internacional ou qualquer time. "Eu tenho um pouco mais de bagagem para sofrer uma derrota e foi isso que aconteceu".

Questionado sobre seu estado psicológico depois dos 7 a 1 para a Alemanha e dos 3 a 0 para a Holanda, ainda na Copa do Mundo, e mais os 2 a 0 no Gre-Nal, Scolari repetiu que sua vida na seleção terminou com o fim do contrato com a CBF, dando a entender que não quer mais falar no assunto. "Eu continuo são e salvo, inteiro, satisfeito, não mudou nada na minha vida, e feliz por ter voltado ao Grêmio, minha equipe de coração, e tenho um longo trabalho pela frente", ressaltou. "Vocês têm uma visão, eu tenho outra, eu não vou discutir nunca essa visão com vocês", completou.

Em meio à entrevista, Scolari admitiu que uma das coisas que tem a trabalhar no Grêmio é evitar que o time desabe depois de tomar um gol, como ocorreu no Gre-Nal, quando o jogo, que vinha equilibrado, ficou à feição do Internacional depois do 1 a 0, a 16 minutos do segundo tempo. "Temos de lembrar que tem muito tempo pela frente, para jogar, trabalhar", disse, referindo-se ao tempo que o time ainda teria para se recuperar. "Aos poucos esse ânimo vai sendo modificado", previu.

Ao analisar as seis modificações que fez no time e o resultado do Gre-Nal, Scolari avaliou que o time fez "um primeiro tempo muito bom", mas admitiu que "no segundo tempo o Internacional se encontrou mais". Também destacou que seu time não aproveitou a chance que criou na primeira etapa enquanto o adversário soube marcar os gols que o levaram a vitória nas jogadas que criou no segundo tempo.

O técnico prometeu que o time será o mesmo ou terá poucos substituições para enfrentar o Criciúma no próximo jogo. Até lá, Scolari vai trabalhar alguns fundamentos e também alguns aspectos psicológicos com os jogadores. "Vamos mostrar o que fizemos no primeiro tempo (do Gre-Nal) e não só o negativo, mas também o positivo, passando confiança (aos jogadores) durante a semana", finalizou.

Leia tudo sobre: felipãobagagemderrotaclássicoestreiagrenalgrêmiobeira-rio