Inter derrota o Grêmio por 2 a 0 na reestreia de Felipão

No Beira-Rio, Felipão amargou primeira derrota com o Tricolor Gaúcho e ouviu provocação da torcida colorada: 'fica, Felipão!'

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Com inspiração de D'Alessandro, Inter não deu chances ao Grêmio
Inter/Reprodução
Com inspiração de D'Alessandro, Inter não deu chances ao Grêmio

Depois do fracasso com a seleção brasileira na Copa do Mundo, o técnico Luiz Felipe Scolari reestreou como treinador do Grêmio perdendo mais uma, desta vez no clássico diante do Internacional por 2 a 0, neste domingo, no Beira-Rio, pelo Campeonato Brasileiro. Ao final do jogo, teve de ouvir a provocação da torcida colorada, que cantou em coro "fica, Felipão".

O resultado levou o Inter aos 28 pontos, subindo para a segunda colocação e ficando próximo ao líder Cruzeiro, que tem 30. Nesta quarta, a equipe volta a campo pela Copa do Brasil, para pegar o Ceará fora de casa. Já o Grêmio estacionou nos 19 pontos, é o 11.º e duela com o Criciúma no domingo que vem, em casa.

Scolari, que ainda está conhecendo o grupo de jogadores que vai comandar, surpreendeu ao escalar neste domingo um time bem diferente do que vinha jogando. Na defesa, o volante Ramiro foi para a lateral direita, o zagueiro Werley voltou a ser titular, o lateral-direito Pará foi transferido para a esquerda. No meio de campo, o novato Wallace foi aposta para o lugar de Edinho, Fellipe Bastos no de Riveros e Rodriguinho no de Luan. O adversário, Abel Braga, estava com o Internacional montado, e não recorreu a alterações importantes.

Diante de um adversário tido como favorito, pelo diferente momento que os dois times vivem, o time tricolor segurou o adversário enquanto pôde e não teve recursos para abrir a defesa colorada, limitando-se a alguns arremates de longe. O Internacional, por sua vez, contou mais uma vez com a inspiração de seus destaques Aránguiz, Alex e D'Alessandro. O trio demorou para se desvencilhar da marcação gremista, mas quando abriu o caminho, no segundo tempo, passou a comandar as ações.

Depois de um leve predomínio do Internacional nos dez minutos iniciais, o Grêmio equilibrou o jogo controlando bem os movimentos de Aránguiz, Alex e D'Alessandro. Mas se ia bem na marcação, os tricolores tinhas tanta dificuldade quando o adversário para criar jogadas de ataque. Ao longo de todo o primeiro tempo, o torcedor viu raras jogadas de área e apenas algumas tentativas de chutes de longe, quase sempre desviadas ou fracas, que não deram trabalho aos goleiros. Aos 37 minutos, Dudu recebeu a bola livre, mas chutou para fora.

O duelo dos técnicos também teve lances no intervalo. Scolari substituiu Rodriguinho por Fernandinho com a intenção de abrir mais o jogo pelas pontas. O Internacional já estava voltando para o campo quando Abel também optou por uma troca, de Wellington Silva por Cláudio Winck, ambos laterais-direitos.

As substituições não mudaram o ritmo do jogo, que continuou truncado e sem lances de área. Mas aos 16 minutos, em jogada coletiva, a qualidade técnica do Internacional fez a diferença. Alex avançou a dribles até lançar Fabrício, que, de ponta esquerda, cruzou para Aránguiz desviar, de cabeça, para as redes sem qualquer chance para Marcelo Grohe defender.

Estabelecida a vantagem colorada, o Grêmio se obrigou a se arriscar mais e o trio criativo do Internacional, formado por Aránguiz, Alex e D'Alessandro, passou a encontrar espaços para jogar, a ponto de levar a torcida a gritar "olé" em algumas trocas de passes.

Enquanto o Grêmio só conseguia rondar a área adversária, o Internacional era mais perigoso a cada contra-ataque. Aos 39 minutos D'Alessandro lançou Cláudio Winck às costas da zaga adversária. O lateral se livrou de um marcador que chegou para a cobertura, escolheu o canto e chutou para definir o placar e o início de mais uma festa colorada. A torcida não se conteve e passou a cantar "fica, Felipão".

Leia tudo sobre: intergrêmiogrenalaránguizd'alessandrofelipãoestreiabeira-rioclássicobrasileirãoclássico gaúcho