Moradores reagem contra ação da PM na ocupação Rosa Leão

Integrantes formaram uma barricada na tentativa de impedir a entrada dos policiais no local; houve disparo de arma de fogo e as ameaças continuam

iG Minas Gerais | Aline Diniz / Cinthia Ramalho |

No início da tarde deste domingo, 10, cerca de 19 policiais militares chegaram à ocupação Rosa Leão, localizada na Granja Werneck, também conhecida como mata do Isidoro, na região Norte de Belo Horizonte, para fazer a retirada das barricadas feitas pelos ocupantes no cruzamento entre as ruas Leila Diniz e Raul Pompéia. A barreira foi feita para tentar impedir a entrada da Polícia Militar durante a operação de reintegração de posse do terreno, que deve acontecer nos próximos dias. Os policiais militares ficaram a aproximadamente 150 metros da ocupação e, segundo informações dos moradores, um deles chegou a dar um tiro para o alto, com o objetivo de intimidar as famílias que moram no local. Segundo a operadora de caixa Marcela de Deus Oliveira de Santos, 27, os policiais também chegaram a apontar a arma para alguns integrantes da ocupação, que reagiram, logo em seguida, jogando pedras contra os militares e as viaturas. Fogos de artifício foram disparados no local com a intenção de alertar a comunidade sobre a ação da PM. "Fizemos hoje a barricada, mas todos os dias convivemos com ameaças de que eles (policiais) vão entrar a qualquer momento", relata a jovem.       Segundo o subcomandante do Batalhão de Radiopatrulhamento, major Didier Sampaio, os policiais, que integram o 13º batalhão da Polícia Militar, fazem o monitoramento diário da região e, por isso, passaram próximo à ocupação durante a tarde. Ele também afirma que, a pedido da prefeitura, objetos como pneus e pedras, que formam as barricadas montadas pelos ocupantes, estão sendo retirados pela PM do terreno onde está a ocupação.

 

Leia tudo sobre: GRANJA WERNECKocupação Rosa LeãoPM