Cruzeiro empata sem gols com o Criciúma fora de casa

Pela primeira vez, time passa duas rodadas sem vencer no campeonato; jogadores deixaram o campo reclamando da arbitragem

iG Minas Gerais | THIAGO NOGUEIRA |

Um pontinho conquistado fora de casa, mas dois perdidos na luta pelo título. Para um Cruzeiro tecnicamente superior, o empate sem gols, ontem, diante do Criciúma, passa a ameaçar a até aqui incontestável liderança celeste no Campeonato Brasileiro. Os jogadores deixaram o campo reclamando de dois gols anulados.

Agora, são  seis jogos de invencibilidade, é verdade. Mas, se os quatro primeiros jogos da sequência  foram vitórias, os dois últimos, foram apenas empates. Pela primeira vez em 14 rodadas na competição, a Raposa passa duas partidas seguidas sem vencer. 

O time da casa tinha seu torcedor como grande aliado. E só. O trunfo não era suficiente para o Criciúma se impor frente o líder. Foi o visitante quem tomou as iniciativas, mesmo que, às vezes, a troca de passes fosse preterida pela ligação direta.

O Tigre, tecnicamente inferior, já tinha dado o recado. Seria um franco-atirador, esperando um erro celeste ou uma oportunidade em cobrança de falta de Paulo Baier.

O Cruzeiro não chegou a armar uma blitz, como em outros jogos, mas à mínima acelerada no ataque, criava lances de perigo. Foi assim no lance do gol anulado de Marquinhos e na sequência de defesas do goleiro Luiz.

Mas, definitivamente, era uma partida para ser classificada como “feia”, com muitas faltas. E no segundo tempo, não foi muito diferente. Quando se esperava um Cruzeiro mais envolvente, foi o Criciúma que tomou coragem nos primeiro minutos.

O técnico Marcelo Oliveira, então, deu vez para o xodó Willian. Pouco depois, o árbitro Jailson Macedo invalidou mais um gol cruzeirense, para ira de Ricardo Goulart, que tinha empurrado para as redes. O treinador, depois, sacou o volante Lucas Silva para colocar Dagoberto, uma substituição de quem pensa grande. Depois, deu mais velocidade com Alisson.

A aposta no tudo ou nada deu confiança ao time, que partiu para decidir. Os jogadores, no entanto, não encontraram a brecha que lher pudesse dar a vitória.

Leia tudo sobre: CRUZEIROCRICIUMACAMPEONATO BRASILEIRO