Contra o Palmeiras, Jô espera finalizar o seu mais longo jejum de gols

Atacante não estufa as redes adversárias há dez partidas e mostra motivação para finalizar a seca

iG Minas Gerais | FERNANDO ALMEIDA |

Chegada da seleção brasileira ao hotel em BH
Chegada da seleção brasileira ao hotel em BH

A seca de gols de Jô no Atlético dura dez partidas e, claro, incomoda o atacante. Passada a novela sobre o seu sumiço do treino da última segunda-feira, o jogador pediu desculpas à torcida pelo seu ato impulsivo e garantiu que fará de tudo para ajudar o Galo a voltar a vencer e entrar de vez na briga por uma vaga no G-4; se possível com um gol para tranquilizar ainda mais.

“Nunca fiquei tantos jogos sem marcar. Essa é a fase que todo atacante teme. Agora está tudo resolvido, a cabeça está boa. Nos treinos, a bola voltou a entrar; dá uma alegria. É voltar a fazer gols, que é o mais importante”, disse Jô.

Antes desta seca, os maiores jejuns do atacante com a camisa do Galo foram em 2013, ficando em duas oportunidades durante oito partidas sem anotar gols. Contudo, o término destas marcas veio em grande estilo. A primeira vez foi na decisão da Copa Libertadores, no Mineirão, e a segunda contra o Coritiba, no Brasileirão, com três gols de Jô no triunfo por 3 a 0.

“Eu não venho fazendo más partidas, só que os gols não estão saindo. Para a torcida é falar que eu vou correr mais, melhorar para voltar a fazer gols e dar alegria a esta torcida. É novamente pedir desculpas, pois sou grato a tudo”, afirmou Jô, voltando a desculpar-se com os torcedores alvinegros pelo sumiço no começo da semana e a consequente falta diante da Chapecoense, na quarta-feira.

Leia tudo sobre: atleticogalojoartilheirogolsjejumseca