Farc dizem estar convencidas de que processo de paz seguirá adiante

Chefe guerrilheiro alega que as forças são vítimas de uma campanha negativa da "classe dominante"

iG Minas Gerais | Da Redação |

Em comunicado publicado por seu chefe máximo Rodrigo Londoño, as Farc afirmaram que têm disposição para assumir as consequências do conflito armado colombiano e que estão convencidas de que o processo de paz seguirá adiante. "Nossa melhor disposição de explicar quanto for necessário e assumir as correspondentes consequências existem sem dúvidas", manifestou Londoño, que é conhecido como Timchenko, no artigo datado de 8 de agosto nas "Montanhas da Colômbia". O chefe guerrilheiro alega que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia são vítimas de uma campanha negativa da "classe dominante" com o apoio da imprensa, mas assegura que estão convencidos de alcançar a paz nas negociações que são realizadas com o governo há 20 meses. "Mas estamos nisto. Convencidos a seguir adiante, seguros de que após um acordo de paz, a Colômbia não seguirá sendo a mesma. E nisso precisamente nos diferenciamos de nossos adversários, eles só aspiram nos tirar do meio para não mudar nada, para que tudo siga igual", acrescentou. O comunicado é o primeiro do chefe guerrilheiro desde o início, na quinta-feira, do segundo mandato do presidente colombiano, Juan Manuel Santos. Em seu discurso de abertura, Santos reivindicou às Farc "atos de paz", após advertir que os atos violentos das últimas semanas são "inaceitáveis" e põem em risco o processo de paz. Segundo Timochenko, "a ideologia dominante" exige que os guerrilheiros "sejam condenados sem piedade" por seus crimes e rejeitou a ideia de que essa mesma "classe dominante" e os que a apoiam "teriam as mãos limpas de sangue do povo colombiano". Segundo o chefe guerrilheiro, se o governo e a classe dominante "decidiram ensaiar a via dos diálogos, foi com o propósito de obter na mesa de conversas a vitória que foi negada durante meio século nos campos de batalha".  

Leia tudo sobre: farccolômbiaprocesso de paz