PF apura se presidente da Petrobras omitiu informações sobre marido

O inquérito foi instaurado a pedido do Ministério Público Federal no Distrito Federal

iG Minas Gerais | Da Redação |

A Polícia Federal abriu este mês uma investigação para apurar se a presidente da Petrobras, Graça Foster, omitiu informações do Senado quando prestou depoimento à Comissão de Infraestrutura. O inquérito foi instaurado a pedido do Ministério Público Federal no DF. Segundo a assessoria do MPF-DF, a solicitação foi formalizada em 13 de junho e, quase dois meses depois, a polícia abriu o procedimento para averiguar se Graça Foster omitiu informações sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA) e sobre contratos da estatal com a empresa do marido dela, Colin Vaughan Foster. A PF não comenta. Na audiência no Senado, em abril, a presidente da Petrobras afirmou o que Conselho de Administração da estatal não teve responsabilidade na compra de Pasadena em 2006. Foi o órgão, à época comandado pela presidente Dilma Rousseff, que aprovou a compra. Segundo Dilma, a decisão foi tomada com base num resumo "tecnicamente falho". Questionada pelo senador Mário Couto (PSDB-PA), Foster disse também que "o marido da presidente da Petrobras não tem contratos com a Petrobras". A empresa do marido de Graça Foster multiplicou os contratos com a Petrobras a partir de 2007, ano em que a engenheira ganhou cargo de direção na estatal. Segundo informações prestadas à época pela própria Petrobras, entre 2007 e 2010, a C.Foster, de propriedade de Colin Vaughan Foster, assinou 42 contratos, sendo 20 sem licitação, para fornecer componentes eletrônicos para áreas de tecnologia, exploração e produção a diferentes unidades da estatal. Entre 2005 e 2007, apenas um processo de compra (sem licitação) havia sido feito com a empresa do marido de Graça, segundo a Petrobras.  

Leia tudo sobre: petrobrasgraça fosterdenúnciapolícia federalinvestigaçãompf