Obrigado, professora!

iG Minas Gerais |

Cleber Piuzana/divulgação
undefined

Edna Roriz trabalha com, entende de e incentiva a melhor coisa do mundo: educação. Ela sabe que não existe outra saída para o Brasil e, literalmente, coloca seu nome na porta da escola. Seus alunos são “bons investigadores” e, assim, desvendam a vida. Um dia, certamente, vão construir um país melhor.

Edna, ainda na esteira da Copa do Mundo, você acha que o Brasil deu vexame por falta de educação, enquanto a Alemanha tem 103 prêmios Nobel?

Assistimos a turistas recolhendo lixo nos estádios após os jogos. A lição que nos fica é que, na formação integral do indivíduo, não nos podemos centrar somente na instrução, mas temos que priorizar as questões comportamentais. Como você acha que o Brasil trata a educação?

Nos últimos anos, houve uma preocupação em se promover o acesso facilitado ao ensino superior, deixando-se de investir em educação básica de qualidade. Assim, acredita-se que a inserção do jovem no mercado de trabalho se dá somente através da universidade, não se dando conta de que a entrada nessa universidade deve ser precedida do ensino fundamental e médio. Com isso, vemos hoje um desprestígio do ensino básico e dos cursos técnicos, tão necessários ao crescimento de um país. A Coreia do Sul, em poucas décadas, revolucionou positivamente o país, investindo em educação. Você consegue imaginar isso no Brasil?

Não. A não ser que uma política de formação básica de qualidade passe a ser o foco de nosso governo. Qual a sua missão nessa seara?

O projeto educacional que defendo é aquele que permite a formação de bons investigadores, ou seja, procuro formar um aluno que saiba buscar a informação, verdadeiro pesquisador. Assim, ele será capaz de ser o protagonista de sua formação continuada, essencial para o mundo de hoje. Educar não é apenas ensinar a ler e a escrever. O que mais seria necessário?

Isso é apenas instruir. Educar vai mais além, porque pressupõe saber utilizar essa instrução de modo eficaz e ético na formação do caráter e da autonomia de cada um. Um grande país não se faz apenas com o conhecimento técnico-científico, mas com cidadãos honestos, íntegros e responsáveis. Qual o diferencial do sistema de ensino Edna Roriz?

É a busca de um total equilíbrio entre a instrução e a formação dos jovens, para serem adultos ajustados e emocionalmente estáveis em meio a este mundo tão conturbado. Qual o perfil de seus alunos?

Temos uma diversidade muito grande de alunos, não só no que diz respeito ao nível econômico (cerca de 20% deles são bolsistas integrais). Além disso, recebemos jovens de diversas nacionalidades. É possível, em certos casos, se necessário, educar também os pais dos alunos? Nosso colégio não tem essa pretensão. O que fazemos é procurar estabelecer um diálogo constante e profícuo com as famílias. Quantos “quilos” de psicologia são necessários para a ideal educação?

Educar exige paciência, determinação, disponibilidade afetiva, seriedade e muita, mas muita competência.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave