Repouso elegante

Marquesas em versões clássicas e atuais ganham evidência por se adaptar ao décor

iG Minas Gerais | Ana Paula Braga |

Utilitária>Peças desempenham função decorativa pela beleza, conforto e presença marcante em diversos estilos
Divulgação
Utilitária>Peças desempenham função decorativa pela beleza, conforto e presença marcante em diversos estilos
A cada ano, novos contornos, funções e matérias-primas dão forma e muito charme aos móveis que preenchem os espaços da casa. Conforto e design também são conceitos que imperam na maioria das produções, que ganham evidência pelo apuro nos acabamentos e foco no que há de mais criativo. Apresentado em versões clássicas e superatuais, o móvel récamier, também conhecido como marquesa, é uma dessas preciosidades que não saem de moda e, cada vez mais, marcam presença em projetos contemporâneos de decoração.   História A peça remonta ao estilo neoclássico francês e ao Brasil do século XIX. Seu nome também está associado a um retrato de uma das socialites francesas mais influentes na política e na literatura da época, Madame Juliette Récamier. Pintado em 1800 pelo artista Jaques-Louis David, o óleo sobre tela mostra o repouso elegante da musa no salão principal de seu palácio em uma espécie de sofá sem encosto e com braços menores nas duas extremidades. Atualmente, a obra está exposta no famoso museu do Louvre, em Paris, na França.    Além de ter sido alçada à condição de referência do bom gosto daquela época, a marquesa é uma peça muito expressiva e consegue roubar as atenções quando é pontuada de maneira harmoniosa pelos cômodos da casa. “O espaço deve ter coesão independente das características estéticas de cada móvel. Chaises e sofás são mais generosos e criam um visual belíssimo. Já os bancos estofados são ótimas escolhas para se ter apoio com conforto em ambientes mais compactos”, explica o arquiteto mineiro Luís Fábio Rezende.  

Leia tudo sobre: recamierchaisedivã